Navigation

Bolsonaro multiplica declarações polêmicas sobre a ditadura

O presidente Jair Bolsonaro multiplicou, nos últimos dias, suas declarações bombásticas, por meio das quais colocou em xeque documentos oficiais que evocam o desaparecimento de opositores ao regime afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. julho 2019 - 19:48
(AFP)

Sem nunca esconder sua admiração pela ditadura militar (1964-1985), o presidente Jair Bolsonaro multiplicou, nos últimos dias, suas declarações bombásticas, por meio das quais colocou em xeque documentos oficiais que evocam o desaparecimento de opositores ao regime.

"Nós queremos desvendar crimes. A questão de 64... Existem documentos de 'matou, não matou'. Isso aí é balela", declarou Bolsonaro à imprensa em Brasília, nesta terça-feira.

O presidente se referia à Comissão da Verdade, cujo relatório divulgado em 2014 contabiliza 434 assassinatos cometidos durante o regime militar, sem contar as centenas de detenções arbitrárias e os casos de tortura de dissidentes políticos.

"E você acredita em Comissão da Verdade? Qual foi a composição da comissão da verdade? Foram sete pessoas indicadas por quem? Pela Dilma?", questionou, referindo-se a então presidente Dilma Rousseff, que sofreu um processo de impeachment acusada de praticar as chamadas "pedaladas fiscais".

Na sessão do Congresso que deu início ao processo de destituição, em 2016, o ainda deputado Bolsonaro dedicou seu voto a Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-CODI na ditadura militar e acusado de comandar torturas e pelo menos seis assassinatos.

Na segunda-feira, o presidente de extrema direita deflagrou forte polêmica ao questionar a versão oficial do desaparecimento, durante a ditadura, do pai do atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

"Se o presidente da OAB quiser saber como o pai desapareceu no período militar, eu conto para ele. Ele não vai querer saber a verdade. Conto pra ele", afirmou Bolsonaro.

De acordo com os documentos da Comissão da Verdade, Fernando Santa Cruz, estudante e militante de esquerda, desapareceu aos 26 anos, em 1974, após ser detido por agentes do DOI-CODI-RJ.

Bolsonaro insinuou que o pai do presidente da OAB foi morto por um grupo armado de esquerda.

"Não foram militares que mataram ele, não. É muito fácil culpar os militares por tudo que acontece", declarou.

Nesta terça, em entrevista ao UOL, o juiz do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello sugeriu que "apenas criando um aparelho de mordaça" talvez seja possível conter as declarações do presidente.

O governador de São Paulo, o tucano João Doria, considerou "inaceitável" a fala de Bolsonaro.

"Eu sou filho de um deputado cassado pelo golpe de 64 e eu vivi o exílio com o meu pai que perdeu quase tudo na vida em dez anos de exílio pela ditadura militar. Inaceitável que o presidente da república se manifeste da forma como se manifestou em relação ao pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz. Foi uma declaração infeliz do presidente Jair Bolsonaro", afirmou.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.