Navigation

Bolsonaro veta trechos de lei que facilitava atendimento a indígenas com COVID-19

Presidente Jair Bolsonaro, em 20 de março de 2020, em Brasília afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. julho 2020 - 21:44
(AFP)

O presidente Jair Bolsonaro vetou trechos de uma lei, aprovada nesta quarta-feira (8), que obriga o governo a facilitar o acesso a serviços básicos, médicos e econômicos para as comunidades indígenas que enfrentam a pandemia do novo coronavírus.

O texto aprovado pelo Congresso estabeleceu que os povos tradicionais, indígenas e quilombolas (comunidades de descendentes de ex-escravos fugitivos) devem ser considerados "grupos em situação de extrema vulnerabilidade".

Para defender seu veto, Bolsonaro argumentou que os benefícios incluídos pelos legisladores geravam despesas adicionais e eram "contrários ao interesse público".

O Executivo vetou 16 seções da lei, incluindo aquelas que o obrigava garantir aos povos indígenas acesso ao auxilio emergencial para pessoas com menos recursos durante a crise da COVID-19, à água potável e à distribuição gratuita de produtos de limpeza, internet e alimentos, além de disponibilizar leitos hospitalares e terapia intensiva.

A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) afirma que mais de 8.000 indígenas que vivem nas aldeias contraíram o novo coronavírus, enquanto 184 morreram da doença.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) registra 12.048 casos e 445 mortes em cidades e regiões não urbanas.

O Brasil, um país de 212 milhões de habitantes, tem uma população de cerca de 900.000 indígenas de mais de 300 etnias. Muitos vivem em regiões remotas da Amazônia (norte).

O Instituto Socioambiental (ISA) classificou os vetos presidenciais de "criminosos".

"Os vetos revelam que o plano do presidente é não ter plano nenhum. A essa altura, a sua reiterada omissão, numa grotesca versão do 'E daí?', caracteriza uma postura genocida", afirmou a organização não governamental.

Após a publicação da lei no Diário Oficial da União, o ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), exigiu ao governo um plano de proteção para as comunidades indígenas no âmbito do avanço da COVID-19, que já deixou mais de 66.000 mortes e 1,6 milhão de casos no Brasil.

Entre as medidas estipuladas pelo magistrado do STF estão a instalação de uma sala interdisciplinar para administrar medidas de proteção aos povos indígenas durante a COVID-19, um plano para instalar barreiras sanitárias em terras indígenas e a garantia de que essas comunidades terão acesso ao sistema de saúde indígena.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.