Navigation

Brasil e EUA compartilham 'preocupação' com crise na Venezuela

El secretario estadounidense de Defensa, Jim Mattis (I), habla con el canciller brasileño Aloysio Nunes, durante una reunión celebrada el 13 de agosto de 2018 en Brasilia afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 13. agosto 2018 - 21:58
(AFP)

Brasil e Estados Unidos compartilharam nesta segunda-feira sua "preocupação" com a "difícil" situação na Venezuela e analisaram o uso da base de lançamento de satélites de Alcântara, no Maranhão, durante a visita do secretário americano da Defesa, Jim Mattis, à Brasília.

Na primeira etapa de uma viagem que o levará ainda à Argentina, Chile e Colômbia, Mattis se reuniu em Brasília com o chanceler Aloysio Nunes e com o ministro da Defesa, general Joaquim Silva e Luna.

A Venezuela, que enfrenta uma grave crise econômica e o isolamento internacional devido à repressão de dissidentes, foi um dos destaques das discussões bilaterais.

"Houve também um tópico referente à preocupação que nós temos sobre como ajudar a Venezuela, que está em uma situação difícil e é um pais da nossa fronteira, revelou o general Silva e Luna ao final da reunião.

"A colocação dos EUA neste aspecto é muito prudente: considera que a solução deve ser liderada pelo Brasil e pergunta sempre como pode ajudar", disse o general.

Mattis, secretário da Defesa desde o início do governo de Donald Trump, em 2017, não deu declarações à imprensa.

Segundo o Pentágono, durante a reunião foi abordado "um amplo espectro de temas de defesa", e se acertou "seguir fortalecendo a associação estratégica" entre os dois países.

Mattis também agradeceu a "liderança global" do Brasil em matéria de cooperação.

Silva e Luna acrescentou que no encontro se discutiu o uso da base de lançamento de satélites de Alcântara por parte dos Estados Unidos, e que o ministro se mostrou partidário de que os dois países firmem um acordo "o mais rápido possível", apos ser resolvida a questão das garantias legais e tecnológicas para proteger a propriedade intelectual dos EUA e a soberania brasileira.

Nesta terça-feira, Mattis fará um discurso na Escola Superior de Guerra e visitará o monumento nacional aos membros das Forças Armadas mortos na Segunda Guerra Mundial.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.