Navigation

Brasil faz primeiro teste em massa para diagnosticar COVID-19

Trabalhador de saúde mostra testes rápidos para a COVID-19 no estacionamento do estádio Mané Garrincha em Brasília, 21 de abril de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. abril 2020 - 21:17
(AFP)

As autoridades de saúde realizaram nesta terça-feira (21) em Brasília o primeiro teste de massa no Brasil para diagnosticar o novo coronavírus.

No total, 100.000 testes devem ser realizados até a sexta-feira em cinco pontos da capital, o equivalente a 3,3% da população do Distrito Federal (3 milhões).

Centenas de pessoas foram em seus veículos nesta terça para o estacionamento do estádio de futebol Mané Garrincha, um dos cinco pontos designados e onde 5.000 testes rápidos foram disponibilizados para o primeiro dia de operações.

O procedimento, que dura apenas alguns minutos, é realizado sem que as pessoas saiam do carro.

Uma picada no dedo é suficiente para coletar uma amostra de sangue e determinar se houve ou há contágio.

Aqueles com sintomas também tiveram que ser submetidos à medição da temperatura.

"Temos que ter mais de 70% de isolamento social, conseguimos achatar nossa curva de crescimento do vírus e agora chega outra etapa muito importante, que são os testes em massa", afirmou o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha.

Na segunda-feira, Brasília registrou 872 casos e 24 mortes pelo novo coronavírus, com uma taxa de mortalidade de 2,8%, abaixo da média nacional de 6,3%.

No total, o Brasil ultrapassou 40.000 casos e 2.500 mortes, e o Ministério da Saúde espera que o país alcance a fase mais difícil de contágio em maio.

Antonio Guimarães, 65 anos, foi ao estádio Mané Garrincha com seus filhos e nora. Casado com uma enfermeira, Guimarães disse que sentia "sintomas leves".

"Somos cinco em casa, precisamos mesmo evitar para infectar a família", afirmou.

Marcos Limera, coordenador da operação no estádio, expressou satisfação com os números na capital.

"Acho que o prognóstico é muito bom na cidade. Estamos conseguindo conter os casos da COVID-19 e agora vamos saber mais com esses exames", declarou.

O Brasil não se destaca pelo percentual de exames diagnósticos realizados. Os especialistas estimam que os números estejam entre 12 e 15 vezes menores que o cenário real.

O governador Rocha disse que espera realizar até 450.000 testes (15% da população) e que as informações obtidas orientarão a tomada de decisão sobre a reabertura de atividades no Distrito Federal, em quarentena parcial.

O presidente Jair Bolsonaro expressa constantemente sua insatisfação com as medidas de distanciamento social e na semana passada demitiu o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, por divergências a esse respeito.

O novo ministro, oncologista Nelson Teich, diz que expandirão os testes de diagnóstico para avaliar uma eventual saída da quarentena no Brasil.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.