Navigation

Brasil manterá sua política externa após eleições, diz Aloysio

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, disse na ONU que quem quer que vença as eleições no Brasil, o país manterá sua linha de política externa afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 28. setembro 2018 - 23:51
(AFP)

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, disse nesta sexta-feira na ONU que quem quer que vença as eleições no Brasil, o país manterá sua linha de política externa.

Nunes declarou a jornalistas que em suas reuniões com outros chanceleres muitos perguntaram o que acontecerá com a política externa após as eleições.

"Eu disse que a política externa brasileira não faz grandes mudanças de um governo para outro, nós temos parâmetros muito seguros e seguidos há muito tempo", afirmou o chanceler depois de se reunir nesta sexta-feira com seus colegas da Coreia do Norte e da Venezuela, à margem da Assembleia Geral.

Sobre sua reunião com o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, Nunes lembrou que ambos os países compartilham uma fronteira de 2.000 km.

Segundo Nunes, pelo tamanho do Brasil, a emigração venezuelana "não constitui um problema dramático". Ele reconheceu que o problema é que os imigrantes ainda estão concentrados em Roraima, mas explicou a Arreaza os esforços do governo para ajudar os imigrantes venezuelanos a se deslocarem para outros estados do país.

"A nossa fronteira está aberta. Se quiserem vir, recebemos; se quiserem voltar, evidentemente voltarão", afirmou ao ser perguntado sobre a repatriação de venezuelanos.

Nunes disse que o Brasil não apoiou o envio da carta firmada por Argentina, Colômbia, Chile, Canadá e Paraguai à procuradoria do Tribunal Penal Internacional (TPI), pedindo a investigação de crimes contra a humanidade supostamente cometidos pelo governo venezuelano porque, na sua opinião, "a solidez do caso não parece evidente".

"Acreditamos também que o acirramento das tensões não é positivo, queremos que haja um clima de menos tensões com o nosso país, de modo inclusive a favorecer um diálogo interno entre o governo e a oposição da Venezuela", explicou.

Nunes relatou ainda ter conversado com Arreaza sobre temas bilaterais, como cooperação na área de saúde, vigilância epidemiológica e questão energética.

Segundo o chanceler brasileiro, está sendo negociada uma forma de saldar a dívida de 40 milhões de dólares pela importação de energia venezuelana para o estado de Roraima. O pagamento foi dificultado pelas sanções dos Estados Unidos e da União Europeia ao país vizinho.

Em sua conta no Twitter, Arreaza disse que a reunião com Nunes foi "respeitosa e produtiva".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.