Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Torcedor no estádio Maé Garrincha, em Brasília, em 15 de juhno de 2014. Apenas no Brasil, a Copa do Mundo gerou um aumento adicional de 1,4 milhão de hectolitros de volume de cerveja.

(afp_tickers)

A AB InBev, número um mundial da cerveja, se beneficiou da Copa do Mundo no segundo trimestre e registrou resultados melhores que o previsto, em particular no Brasil.

De abril a junho, o grupo registrou um lucro líquido de 2,61 bilhões de dólares (1,95 bilhão de euros), 74% a mais que no mesmo período do ano passado.

Os analistas interrogados pela agência DowJones Newswires previam um lucro líquido de 2,19 bilhões de dólares, depois dos 1,5 bilhão registrados no mesmo período de 2013.

O Ebitda normalizado (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização), que serve de referência para as previsões internas da AB InBev, subiu 9,5%, a 4,85 bilhões de dólares, sobretudo graças ao crescimento do volume.

O volume de cerveja que a AB InBev vendeu no segundo trimestre cresceu 1,0%, embora no Brasil, anfitrião da Copa do Mundo de Futebol, tenha sido de 7,2%, de 1,5% no México e de 4,6% na China.

Apenas no Brasil, o maior evento de futebol do planeta gerou um aumento adicional de 1,4 milhão de hectolitros de volume de cerveja, afirma a AB InBev em um comunicado.

As três grandes marcas - Budweiser, Corona e Stella Artois - venderam 6% mais que no mesmo período do ano passado.

Por isso, as vendas da AB InBev aumentaram 5% no período, a 12,2 bilhões de dólares, contra os 11,65 bilhões do mesmo período do ano anterior.

Os analistas esperavam vendas de 12,28 bilhões de dólares.

AFP