Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Torcedores enfrentam a polícia em Buenos Aires após a derrota da Argentina para a Alemanha (1-0) na final da Copa do Mundo

(afp_tickers)

Cem pessoas foram detidas e 70 ficaram feridas, uma delas em estado grave, em incidentes em Buenos Aires e outras cidades após a Argentina ser derrotada pela Alemanha por 1-0 na final da Copa do Mundo do Brasil.

"Aconteceram 100 detenções nos incidentes nas proximidades do Obelisco", afirmou o chefe de Gabinete, Jorge Capitanich.

Fontes médicas também anunciaram um balanço de 70 feridos.

A polícia utilizou gás lacrimogêneo contra os torcedores violentos, que atiraram pedras nos agentes, destruíram sinais de trânsito, quebraram vitrines e saquearam lojas.

"Foram circunstâncias lamentáveis que mancharam as comemorações que aconteceram em toda Argentina, com manifestações espontâneas para celebrar um acontecimento importante, porque há 24 anos a seleção argentina não chegava à final", disse Capitanich.

Cinquenta e cinco civis e 15 policiais foram hospitalizados. Um manifestante foi ferido por uma arma branca no pulmão e está em condição crítica, depois de ter passado por uma cirurgia.

"Os demais apresentavam politraumatismos de distintas considerações, ferimentos com cortes no rosto e couro cabeludo e fraturas nas pernas", disse o diretor do Serviço de Emergências (SAME) da capital argentina, Alberto Crescenti.

Uma ambulância e um carro de emissora de televisão foram atingidos nos ataques.

Os incidentes aconteceram durante a dispersão de centenas de milhares de manifestantes no Obelisco, a maioria famílias com crianças, para celebrar o vice-campeonato da Argentina no Mundial do Brasil-2014.

De acordo com Capitanich também foram registrados incidentes violentos em La Plata (60 km ao sul de Buenos Aires) e na cidade de Mar del Plata (400 km ao sul).

De acordo com a imprensa local, um homem foi atingido por um tiro no pescoço em Mar del Plata durante uma discussão.

Na manhã desta segunda-feira prosseguia a operação de limpeza ao redor do Obelisco.

AFP