Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A cúpula mundial sobre a Aids, que começa neste final de semana na Austrália, estará de luto pela morte de mais de 100 participantes - entre especialistas e ativistas - que viajavam para o encontro no avião da Malaysia Airlines derrubado na quinta-feira na Ucrânia.

(afp_tickers)

A cúpula mundial sobre a Aids, que começa neste final de semana na Austrália, estará de luto pela morte de mais de 100 participantes - entre especialistas e ativistas - que viajavam para o encontro no avião da Malaysia Airlines derrubado na quinta-feira na Ucrânia.

"Estamos todos em estado de 'choque'", disse à AFP Francoise Barre-Sinoussi, prêmio Nobel de medicina e presidente da Sociedade Internacional sobre a Aids (IAS).

A tristeza era clara nos corredores do Centro de Convenções de Melbourne, na véspera da abertura da 20ª Conferência Internacional sobre a Aids, a mais importante consagrada à epidemia e realizada a cada dois anos.

Entre os mortos na queda do Boeing 777 está o pesquisador holandês e ex-presidente da IAS Joep Lange, uma das maiores autoridades do planeta no combate ao vírus HIV.

O voo seguia de Amsterdã para Kuala Lumpur, onde muitos passageiros fariam escala para a Austrália, incluindo 108 pesquisadores, especialistas e militantes que participariam da cúpula sobre a Aids, segundo a imprensa australiana.

A cúpula deve reunir cerca de 12 mil pessoas, entre elas o ex-presidente americano Bill Clinton.

AFP