Navigation

Cacique Raoni apresenta "melhora" e pode receber alta "em breve"

(Arquivo) O cacique Raoni Metuktire, à direita, em São José do Xingu, no Mato Grosso afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. julho 2020 - 19:28
(AFP)

O emblemático cacique Raoni Metuktire, internado com uma úlcera gástrica e infecção intestinal, apresentou melhoras em seu quadro de saúde e pode receber alta "em breve", segundo o último boletim médico divulgado nesta segunda-feira (20).

O chefe dos kayapós, de cerca de 90 anos, está com "duas úlceras gástricas e infecção intestinal", mas apresentou "melhora no quadro clínico, segundo o Hospital Dois Pinheiros, situado na cidade de Sinop, no Mato Grosso, onde ele está sendo tratado com "antibióticos e protetor gástrico".

A hemorragia e a anemia provocadas pela úlcera foram controladas e ele "deve ter alta em breve", indicou o centro de saúde, cujas informações foram confirmadas pelo Instituto Raoni.

O líder indígena recebeu duas transfusões de sangue.

"Ele encontra-se em bom estado geral, lúcido e orientado, sem febre e a pressão arterial está controlada", informou a médica, Fernanda Quinelato.

O presidente da ONG francesa, Planète Amazone, Gert-Peter Bruch, disse à AFP que havia tido uma conversa brevemente com Raoni e que ele tinha "uma boa voz".

"Ele acabou de me dizer que seu médico o autorizará a sair (do hospital) na quarta-feira, e me pediu para avisar a todos seus amigos que ele está bem", informou Bruch.

O chefe dos Kayapó deu entrada no hospital na última quinta-feira na pequena cidade de Colíder (630 km ao norte de Cuiabá), com sintomas de fraqueza, falta de ar, perda de apetite e diarreia. ele fez testes para a COVID-19, mas os resultados foram negativos.

Após uma piora do quadro no sábado, Raoni foi transferido para o Hospital Sinop , onde iria fazer exames e ter acesso a uma unidade de terapia intensiva, caso sua condição se agravasse.

Os sintomas começaram no final de junho, após a morte de sua esposa, Bekwyjka, que faleceu por causa de um derrame. A morte da mulher que esteve ao seu lado por mais de seis décadas o deixou emocionalmente abalado, segundo parentes de Raoni contaram ao Planète Amazone, que coordena a campanha internacional do cacique.

Raoni é conhecido por viajar pelo mundo para conscientizar sobre a ameaça proveniente da destruição da Amazônia.

Desde que o presidente Jair Bolsonaro assumiu o poder no Brasil, em janeiro de 2019, o cacique redobrou suas acusações de ataques a povos indígenas.

Em entrevista recente à AFP, ele acusou Bolsonaro de querer "aproveitar" a pandemia para promover projetos que ameaçam os povos indígenas, que já possuem um histórico de vulnerabilidade em relação às doenças externas.

Mais de 16.000 indígenas foram infectados com a COVID-19 e 543 morreram, segundo a Associação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB). Isso amedronta os 900.000 indígenas que vivem nas diferentes regiões do país.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.