Navigation

Canadá busca mediação de Cuba para saída da crise na Venezuela

Chanceler canadense Chrystia Freeland (D), em reunião com o colega cubano, Bruno Rodríguez (E), em Havana, no dia16 de maio de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. maio 2019 - 18:03
(AFP)

A chanceler do Canadá, Chrystia Freeland, se reuniu nesta quinta-feira em Havana com seu colega cubano, Bruno Rodriguez, para discutir uma solução para a crise na Venezuela e defender os interesses das empresas canadenses na ilha, sob a ameaça de uma lei americana.

Após a reunião, o ministro das Relações Exteriores do país anfitrião, aliado do governo de Nicolás Maduro, escreveu no Twitter: "Cuba ratifica sua disposição de contribuir com iniciativas que promovam diálogo respeitoso com o governo venezuelano com base na igualdade soberana dos Estados, nos princípios do direito internacional e nos postulados da Proclamação da América Latina e do Caribe como zona de paz".

Segundo a chancelaria cubana, Rodríguez deixou claro que seu país "rejeita o uso ou a ameaça do uso da força, e a aplicação de medidas econômicas coercitivas unilaterais que provoquem danos humanitários".

Os Estados Unidos aplicam um cerco diplomático e econômico ao governo Maduro para obrigá-lo a deixar o poder, e não descartam o uso da força para esse fim.

No que se refere à agenda econômica, a ministra Freeland disse que espera trabalhar com Cuba "na defesa dos canadenses que realizam negócios e investimentos legítimos" no país, após a ativação recente de uma lei americana que estava congelada desde 1996.

"Agradeci por seu país se opôr à Lei Helms-Burton", comentou o chanceler cubano.

Desde a vigência, em maio, do capítulo III da Lei Helms-Burton, que permite processar em tribunais americanos empresas estrangeiras que administrem bens confiscados pela revolução de 1959, um grande número de empresas europeias e canadenses com investimentos em Cuba têm estado sob risco de processo.

Apesar das convergências, o chanceler de Cuba disse que transmitiu a Freeland sua "insatisfação pela decisão de suspender o outorgamento de vistos cubanos" na embaixada do Canadá em Havana.

Desde 8 de maio, a delegação deixou de emitir vistos para cubanos, em linha com a redução de seu pessoal diplomático em Havana. Agora, as solicitações deverão ser feitas na embaixada canadense em um terceiro país.

O governo de Ottawa retirou em janeiro de 2019 a metade do pessoal de sua embaixada em Cuba, devido a supostos "ataques acústicos", algo que a chancelaria cubana nega.

Washington tomado uma medida similar em 2017, quando deixou sua embaixada funcionando ao mínimo, depois de denunciar incidentes similares.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.