Navigation

Candidato argentino Fernández apoia Lula e ameaça acordo UE-Mercosul

O candidato presidencial argentino Alberto Fernández chega ao sítio do ex-presidente uruguaio José Mujica, em Rincón del Cerro, Montevidéu, em 31 de maio de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. julho 2019 - 22:36
(AFP)

O candidato de esquerda à presidência da Argentina Alberto Fernández afirmou nesta quinta-feira após visitar Lula que a prisão do ex-presidente "é uma mancha para o Brasil".

Fernández, que tem como companheira de chapa a ex-presidente Cristina Kirchner, afirmou também que esperava conhecer os detalhes do acordo assinado entre o Mercosul e a União Europeia (UE) para saber se este convém aos interesses da Argentina e que, caso contrário, não hesitaria em revisá-lo.

O político argentino visitou Lula no presídio em Curitiba, onde ele cumpre uma pena de quase nove anos por corrupção e lavagem de dinheiro.

"Espero que esta detenção acabe o quanto antes. O Brasil não merece ter a mancha que a detenção de Lula significa", declarou Fernández, acompanhado pelo chanceler de Lula, Celso Amorim.

Lula se declara inocente e denuncia uma conspiração político-judicial para evitar que volte ao poder. Suas alegações ganharam novo impulso no mês passado, com a divulgação pelo site The Intercept Brasil de mensagens entre os procuradores que o acusaram e o então juiz e atual ministro da Justiça Sérgio Moro, que emitiu sua primeira condenação.

Fernández, um advogado de 60 anos que disputará a eleição com o presidente Mauricio Macri, disse que vê "com preocupação" que fatos como a prisão de Lula aconteçam na América Latina.

"Vou estar do lado de Lula até que o sistema judicial entenda que é preciso respeitar os direitos e as garantias", afirmou.

O candidato peronista, que em maio visitou o ex-presidente uruguaio José Mujica em Montevidéu, comparou o processo contra Lula com os abertos contra Cristina Kirchner na Argentina e Rafael Correa no Equador.

"Nos três casos as provas são forçadas para poder envolver os presidentes em fatos que não têm nada a ver com a realidade (...), os fatos indeterminados, como certa vez apontou Moro, dos que agora conhecemos os e-mails que trocava com os procuradores", acrescentou.

Fernández, que lidera as pesquisas ante um Macri prejudicado pela crise econômica, afirmou também que tem a impressão de que o acordo UE-Mercosul foi "anunciado precipitadamente" para beneficiar Macri eleitoralmente.

Disse, ainda, que esperava conhecer os detalhes do acordo para se posicionar.

"O que acontece é que não se conhece detalhadamente, mas se o acordo é o que supomos, que é mais uma vez que nós vendamos produtos primários e eles nos vendam produtos industriais, teremos que revisar isso sem dúvida alguma", advertiu.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.