Navigation

Candidato do PSL ao governo de Roraima quer conter entrada de venezuelanos

Membros da tribo Warao, o segundo maior grupo indígena da Venezuela, descansam no abrigo Janokoida, em Pacaraima, Roraima, em 21 de agosto de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 18. outubro 2018 - 20:21
(AFP)

O candidato a governador do estado de Roraima pelo Partido Social Liberal (PSL), Antônio Denarium, afirmou nesta quinta-feira (18) que se for eleito buscará impor restrições à entrada de venezuelanos que fogem da crise em seu país.

Entre as medidas contempladas destaca-se a apresentação de "um atestado de vacinação e, também, um atestado de antecedentes criminais", detalhou Denarium, após se reunir no Rio de Janeiro com o candidato do seu partido à Presidência da República, Jair Bolsonaro, favorito nas pesquisas para o segundo turno, em 28 de outubro.

Denarium também aparece como o favorito na corrida eleitoral no seu estado após obter, no primeiro turno para o governo de Roraima, 42,27% dos votos, e disputará o segundo turno com José de Anchieta, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que alcançou 38,78%.

"A questão da imigração de venezuelanos para o Brasil é uma situação que nunca aconteceu antes. Os venezuelanos estão entrando no Brasil como refugiados, e como refugiados eles não têm restrições", declarou Denarium, que se referiu a Bolsonaro como se já estivesse eleito presidente.

"Temos que criar regras junto com o nosso presidente Jair Bolsonaro, restrições para a entrada e permanência dos venezuelanos no Brasil", assinalou.

"As medidas de restrições seriam: apresentação de passaporte, atestado de vacinação, e também atestado de antecedentes criminais, ou então um mecanismo para alterar a legislação atual, evitando que eles entrem da forma que está, sem nenhum controle", continuou.

Bolsonaro, que disputa o segundo turno com Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, declarou em março que se chegasse ao poder poderia criar um campo de refugiados para os venezuelanos.

O Brasil recebeu mais de 100.000 cidadãos da Venezuela nos últimos três anos, a maioria pela fronteira terrestre de Roraima, que desde 2015 obteve 75.500 solicitações de regularização.

A presença dos venezuelanos em Roraima, cujo número supera a capacidade de resposta das autoridades, de ONGs e da ONU para acolhê-los, criou tensão com a população local. Em 18 de agosto, moradores de Pacaraima expulsaram violentamente 1.200 venezuelanos que ocupavam de forma irregular várias áreas dessa pequena cidade.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.