Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Túmulo de Jim Morrison coberto de flores em cemitério de Pere Lachaise em Paris, em abril de 2014

(afp_tickers)

A cantora inglesa Marianne Faithfull declarou que seu namorado, um narcotraficante, foi o responsável acidental pela morte do líder da banda The Doors, Jim Morrison, que faleceu por uma overdose de heroína em Paris em 1971.

Faithfull, que tem 67 anos e foi uma figura muito popular na cena musical londrina dos anos 60 e 70, fez esta confissão à revista musical britânica Mojo, para um artigo publicado na edição de setembro desta revista, que já está à venda.

A cantora explicou que em 1971 viajou a Paris com seu namorado na época, Jean de Breiteuil, um vendedor de drogas que tinha vários famosos entre seus clientes.

Breiteuil explicou que precisava ir ver Morrison em sua casa, e ela decidiu não ir porque teve um mau pressentimento.

"Pensei, 'tomarei um Tuinal (barbitúricos) e não irei'", explicou. "E ele foi ver Jim Morrison e o matou. Quero dizer, estou certa de que foi um acidente. Pobre diabo. A heroína era muito forte? Sim. E morreu", disse Faithfull, que acredita que "todos relacionados à morte daquele pobre homem morreram. Exceto eu".

Morrison foi encontrado morto na banheira de seu apartamento em Paris aos 27 anos e seu túmulo no cemitério Pere Lachaise da capital francesa atrai milhares de pessoas fascinadas pelo artista.

O cantor americano gravou seis discos à frente do The Doors com canções como "Light My Fire", "L.A.Woman" ou "Hello I Love You", que o converteram em uma lenda.

AFP