Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Estilista venezuelana Carolina Herrera, no Hotel Plaza de Nova York, em 20 de abril de 2017

(afp_tickers)

A famosa estilista venezuelana Carolina Herrera repudiou neste sábado o assassinato de um sobrinho em Caracas por sequestradores e aproveitou para fazer críticas ao governo, que chamou de "ditadura".

"Nossa única esperança é que os trágicos assassinatos de nosso jovem sobrinho, Reinaldo, e seu colega Fabrizio sirvam para mitigar a terrível carniceria e os assassinatos que se cometem contra nossa juventude na Venezuela", escreveu Herrera na rede social Instagram.

A estilista de 78 años, radicada em Nova York, prestou uma homenagem com fotografias em preto e branco em que aparece com seu sobrinho, assassinado aos 34 anos na noite de quinta-feira junto com seu colega Fabrizio Mendoza, de 31.

A empresária agradeceu pelas mensagens de solidariedade recebidas e criticou duramente o governo do presidente Nicolás Maduro.

"A ditadura comunista deve acabar", afirmou.

Os corpos de Herrera e Mendoza foram encontrados na noite de quinta-feira em um veículo na rodovia que liga Caracas à localidade costeira de La Guaira.

Sócios em uma empresa de serviços de arquitetura, os dois haviam sido sequestrados horas antes no estacionamento do prédio onde tinham seu escritório, afirmou o diretor da Polícia do município de El Hatillo, delegado Einer Giulliani.

Segundo o oficial, os familiares dos empresários não denunciaram o caso de imediato, mas negociaram com os sequestradores e pagaram um resgate.

Giulliani comentou que Mendoza estava sob investigação do Parlamento por suspeita de ter recebido US$ 11 milhões do governo a uma taxa preferencial, por meio de uma "empresa de malote, de forma fraudulenta".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP