Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Enfermeira mostra teste de detecção da hepatite C em Saint-Dizier, França, em 18 de maio de 2011

(afp_tickers)

Catorze países europeus se uniram pela primeira vez para negociar uma redução do preço de um novo medicamento contra a hepatite C, o Sovaldi, informou nesta quinta-feira a ministra da Saúde da França, Marisol Touraine.

O Sovaldi (sofosbuvir), do laboratório americano Gilead, é um tratamento inovador contra esta doença viral, mas seu preço elevado (70.000 dólares por um tratamento de 12 semanas) preocupa as autoridades de saúde.

O medicamento representa "um avanço terapêutico considerável", mas "se aceitarmos um preço tão elevado, não poderemos curar todos e isso vai colocar a segurança social em risco, isto é, os outros doentes", disse a ministra.

"Por essa razão, lancei uma inciativa inédita há várias semanas em Bruxelas para mobilizar todos os países europeus e para que unamos nossas forças para pesar nas negociações sobre os preços com este laboratório americano", acrescentou.

"Pela primeira vez, catorze países europeus se comprometeram juntos. Por esta razão, vamos negociar, país por país, porque é assim que se faz, mas trocando informação e dialogamos entre países europeus", acrescentou.

"Estamos falando de bilhões e não de milhões ou centenas de milhões", advertiu Touraine, ao se referir ao custo do tratamento para o sistema de saúde francês.

"Quanto mais pudermos reduzir os preços, mais poderemos curar as pessoas, acho que é um argumento que o laboratório pode comprometer", acrescentou. "O preço vai cair, a negociação acaba de começar", garantiu Touraine, sem detalhar de quanto seria a redução esperada.

AFP