Navigation

Cessar-fogo entre milícias que se enfrentavam no aeroporto de Trípoli

A ofensiva contra o aeroporto, lançada no domingo, tenta desalojar as brigadas da cidade de Zenten (sudoeste de Trípoli), consideradas o braço armado da corrente nacional (liberal). afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 17. julho 2014 - 19:39
(AFP)

A prefeitura de Trípoli anunciou, na madrugada de sexta-feira, ter conseguido um acordo de cessar-fogo entre as milícias que se enfrentavam desde domingo pelo controle do aeroporto internacional de Trípoli.

O acordo, confirmado à AFP pelos dois campos rivais, consiste claramente em um cessar-fogo no entorno do aeroporto e a entrega do controle da instalação a uma força neutra.

Mojtar Lajdhar, um dos comandantes de Zenten, confirmou à AFP que a trégua foi patrocinada pelo Conselho local de Trípoli (Prefeitura), destacando que os disparos de foguetes contra o aeroporto cessaram a partir da noite de quinta-feira.

Um porta-voz das brigadas de Misrata, Ahmed Hadeia, precisou que o acordo envolve um cessar-fogo "apenas em torno do aeroporto", e não afeta outros pontos ocupados pelas milícias de Zenten, em particular no sul da capital.

Desde o domingo passado, milícias islâmicas tentam desalojar do aeroporto as brigadas da cidade de Zenten (sudoeste de Trípoli), consideradas o braço armado da corrente nacional (liberal).

Dezenas de foguetes foram lançados contra o aeroporto, sob controle das brigadas de Zenten desde 2011.

Várias instalações e mais de dez aviões líbios estacionados na pista foram danificados no confronto.

Na quinta-feira, o prédio principal do aeroporto foi atingido por dois foguetes, que provocaram "sérios danos", segundo Tarek Urwa, porta-voz do ministério dos Transportes.

Zenten e Misrata participaram ativamente da revolta de 2011 contra Muamar Kadhaffi. Mas após sua derrubada, passaram a ser rivais.

ila/vl/mvv/lr

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.