Navigation

Chile se prepara para 'reabertura gradual' das atividades econômicas

Presidente do Chile, Sebastian Piñera, em 18 de março de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 17. abril 2020 - 17:25
(AFP)

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, afirmou nesta sexta-feira (17) que prepara uma reabertura gradual das atividades econômicas, paralisadas há 45 dias pelo coronavírus que até agora matou 116 pessoas e infectou 9.252 no país.

"Estamos nos preparando para uma abertura ou reabertura gradual", disse o presidente, explicando que será feito "com precauções e medidas sanitárias rigorosas".

"Vamos ter que aprender a nos acostumar com o fato de que a vida normal que tínhamos antes do coronavírus não voltará por muito tempo e precisamos nos acostumar com uma nova normalidade", acrescentou Piñera.

Desde o surgimento do primeiro caso de coronavírus no país, em 3 de março, o Chile implementou uma estratégia seletiva de quarentena nos setores com mais casos.

Desde então, decretou um toque de recolher noturno, suspendeu as aulas em todos os níveis e ordenou o fechamento de shopping centers, restaurantes, cinemas e bares, além de suspender todos os grandes eventos.

A partir desta sexta-feira, passou a valer a obrigatoriedade de usar máscara em todos os locais com mais de 10 pessoas e em elevadores, mesmo quando utilizados sozinhos. A máscara também é obrigatória em todos os transportes públicos.

"Como presidente, não posso ignorar que estamos enfrentando uma profunda recessão mundial e também precisamos nos preocupar em não deixar nada por fazer que nos permita proteger os empregos e a renda das famílias", acrescentou Piñera.

Os protestos sociais contra seu governo, que começaram em 18 de outubro, impactaram a economia chilena, que encerrou 2019 com um crescimento de 1,1%, o menor em uma década.

Para este ano, como resultado dos efeitos do coronavírus, é esperada uma queda no PIB de até 2,5%.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.