Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O sapo inflável de 22 metros chama a atenção no Parque Yu Yuan Tan, em Pequim

(afp_tickers)

A China decidiu censurar em seus meios de comunicação oficiais as informações sobre uma escultura em forma de sapo inflável instalada em Pequim, porque os internautas a compararam ao ex-líder comunista Jiang Zemin.

O site da agência oficial Xinhua apagou nesta quarta-feira todas as informações relacionadas ao sapo, que na cultura chinesa tradicional é um sinal de boa sorte.

Desde que apareceu no último fim de semana em um parque de Pequim, esta escultura de 22 metros de altura foi alvo de piadas nas redes sociais e muitos internautas a compararam com o rosto de Jiang Zemin, de 87 anos.

A moda dos animais infláveis gigantes começou no ano passado, quando um pato amarelo gigante, parecido com os utilizados nas banheiras, foi instalado na baía de Hong Kong.

Desde então várias cidades chinesas instalaram suas próprias esculturas.

O Partido Comunista Chinês exerce um controle rígido da internet, bloqueando páginas estrangeiras, como o Facebook, e obrigando a retirar artigos sobre questões consideradas delicadas.

No ano passado o Sina Weibo, o equivalente chinês do Twitter, proibiu os termos "pato amarelo" em sua busca porque circulava uma foto modificada da repressão de Tiananmen na qual os tanques haviam sido substituídos por patos gigantes.

AFP