Navigation

China lança foguete espacial a partir do mar

(Arquivo) A China realizou pela primeira vez o lançamento de um foguete espacial a partir do mar, reafirmando sua ambição de colocar em órbita satélites comerciais afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. junho 2019 - 11:49
(AFP)

A China realizou pela primeira vez, nesta quarta-feira, o lançamento de um foguete espacial a partir do mar, reafirmando sua ambição de colocar em órbita satélites comerciais.

O foguete, chamado Longa Marcha 11, foi lançado às 12H06 (01H06 de Brasília) de uma plataforma no Mar Amarelo, entre a China e a península coreana, informou a agência espacial chinesa (CNSA).

O foguete transportava sete satélites, dois experimentais e cinco comerciais, que foram colocados em órbita.

"Foi a primeira tentativa da China de lançar um foguete do mar. Isso nos permitirá satisfazer melhor as diferentes necessidades em termos de satélites", comemorou a CNSA.

O uso de uma plataforma flutuante tem várias vantagens, pois permite aproximar o foguete do equador (onde se beneficia da rotação da Terra) e também uma carga mais pesada, porque o impulso é maior.

Além disso, os lançamentos do mar permitem evitar acidentes por estarem longe das áreas habitadas.

Segundo a CNSA, o transporte de um foguete de um porto chinês para uma plataforma leva apenas uma semana.

A China não é o primeiro país a efetuar lançamentos do mar. A empresa Sea Launch, agora de capital russo, lançou vários entre 1999 e 2014.

O anúncio do lançamento marca uma nova etapa para a China em sua ambição de competir com os Estados Unidos, Rússia e Europa no setor espacial.

A China investiu bilhões de dólares em seu programa espacial, liderado pelo exército, e já colocou vários satélites em órbita por conta própria ou para outros países.

No início deste ano, a China também se tornou a primeira do mundo a fazer pousar uma sonda no lado oculto da Lua e, dentro de dez anos, espera enviar uma missão tripulada ao satélite.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.