Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Julho) Aviso sobre o menu limitado devido à carne estragada, em uma loja da rede McDonald's em Xangai

(afp_tickers)

Seis diretores de uma filial na China do grupo americano OSI, que comercializou carne em péssimo estado a várias redes de fast-food do país, foram detidos, anunciou a empresa.

A polícia chinesa havia informado há alguns dias a detenção de outros cinco diretores da Husi Food, a filial em Xangai do grupo OSI, uma empresa produtora de alimentos.

A empresa americana foi acusada de ter vendido carne em péssimo estado a grandes redes do setor de fast food na China, incluindo McDonald's, KFC e Pizza Hut.

O grupo OSI informou que seis diretores da filial em Xangai foram detidos, enquanto a agência oficial Xinhua citou de "funcionários de alto nível".

"Durante a investigação, nossa cooperação com as autoridades tem sido total e vai continuar sendo", afirma o grupo OSI em um comunicado.

Depois da descoberta do caso, a empresa mudou a diretoria da filial chinesa e iniciou uma investigação interna.

As agências do comércio e de segurança alimentar da China estão investigando a empresa, segundo a Xinhua.

De acordo com as autoridades, os funcionários da fábrica colocavam etiquetas com datas de produção falsas nas carnes estragadas e comercializavam o produto.

Após o escândalo, o McDonald's encerrou os contratos com as filiais chinesas do grupo OSI, mas desde então a rede sofre com a falta de carne e parou de vender hambúrgueres e nuggets.

O caso também teve repercussões nos restaurantes McDonald's no Japão e em Hong Kong.

AFP