Navigation

CIDH pede a Maduro que investigue morte de militar detido na Venezuela

O representante permanente da Venezuela junto à OEA, Gustavo Tarré, designado pelo líder opositor Juan Guaidó, fala na sede da organização em Washington. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 03. julho 2019 - 21:04
(AFP)

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) solicitou nesta quarta-feira ao governo de Nicolás Maduro que "investigue, julgue e puna" os responsáveis pela morte do capitão de corveta Rafael Acosta Arévalo, detido sob a acusação de atentar contra o presidente venezuelano.

Acosta Arévalo morreu no sábado, sob a custódia da Direção Geral de Contrainteligência Militar (DGCM), onde estava detido por conspirar para matar Maduro.

A CIDH, orgão autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), manifestou seu "alarme e preocupação" pelo falecimento por "prováveis atos de tortura".

"O Estado tem o dever de investigar os fatos de maneira transparente, imparcial, independente e efetiva. A impunidade facilita a reincidência", declarou o relator para a Venezuela da CIDH, Francisco Eguiguren.

Nesta quarta-feira, Gustavo Tarre, representante junto à OEA do líder opositor venezuelano Juan Guaidó, pediu à CIDH que visite a Venezuela para investigar a morte de Acosta Arévalo.

"A ideia é que a Comissão se desloque para a Venezuela para observar a situação geral dos direitos humanos (...) com ênfase especial no caso do capitão Acosta Arévalo", disse Tarre em entrevista coletiva.

Tarre propõe à CIDH a criação de um "mecanismo especial de investigação" sobre os "graves fatos relacionados ao desaparecimento forçado, tortura e execução arbitrária" de Acosta Arévalo.

O capitão de corveta foi detido no dia 21 de junho e dado por desaparecido durante uma semana. No dia 28 de junho foi apresentado a uma Corte Marcial em cadeira de rodas, incapaz de falar e com sinais de tortura.

O juiz ordenou sua transferência para um hospital militar, onde morreu nas primeiras horas de 29 de junho.

O militar integrava o grupo de 13 pessoas detidas pela alegada tentativa de "golpe de Estado" contra Maduro, incluiria o assassinato do presidente e de altos funcionários.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.