Navigation

Cientistas australianos encontram antídoto para veneno de vespas-do-mar

Cubomedusas são as criaturas mais venenosas do mundo, mas os cientistas dizem ter encontrado um antídoto afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. maio 2019 - 14:50
(AFP)

Cientistas australianos acreditam ter encontrado um antídoto para a criatura mais venenosa do mundo, a temida vespa-do-mar, também conhecida como cubomedusa.

Pesquisadores da Universidade de Sydney estudaram a capacidade letal do veneno deste animal, que pode matar 60 pessoas.

A equipe descobriu que o veneno precisa de colesterol para matar as células humanas e decidiu testar se os medicamentos existentes poderiam conter a substância.

"Já que há muitos medicamentos disponíveis contra o colesterol, os pesquisadores testaram com um deles", afirmou o diretor da equipe, Raymond Lau.

"Funcionou", disse ele, explicando que "é um antídoto molecular".

Em experimentos com células humanas e de ratos, a equipe descobriu que poderia frear a lesão do tecido e a dor associado à picada, se o medicamento fosse ministrado nos 15 minutos seguintes.

As picadas das cubomedusas - que podem ser menores do que uma unha, ou chegar a até três metros de comprimento, a depender da espécie - podem causar uma dor muscular aguda, vômitos violentos, sensação de "morte iminente", AVC, problemas cardíacos e a morte em apenas alguns minutos.

Até agora, o antídoto foi testado apenas nas picadas das espécies maiores, que são mais letais.

"Sabemos que o medicamento vai parar completamente a necrose, a lesão e a dor, quando se aplica à pele", declarou o professor associado Greg Neely.

"Ainda não sabemos se poderá evitar um ataque do coração. Isso precisará de mais tempo de pesquisa, e estamos tentando encontrar recursos para continuar com o trabalho", acrescentou.

A equipe espera que, no futuro, seja possível desenvolver uma pomada, ou spray, capaz de prevenir picadas que, acredita-se, matam dezenas de pessoas por ano e ferem milhares.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.