Navigation

Cientistas desenvolvem tecnologia para detectar bactérias em minutos

Novo dispositivo pode detectar em 30 minutos a presença de bactérias e o tratamento adequado. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. maio 2019 - 01:19
(AFP)

A era dos médicos que receitam a seus pacientes antibióticos poderosos enquanto aguardam os resultados do laboratório pode estar chegando ao fim graças a um novo dispositivo que permite resultados em minutos.

O aparelho foi criado por uma equipe da Universidade Penn State, nos Estados Unidos, e é descrito nesta segunda-feira na revista da Academia Nacional de Ciências.

Desenvolvido por Pak Kin Wong, professor de engenharia biomédica e mecânica, o dispositivo utiliza micro-tecnologia para capturar células de bactérias que em seguida podem ser analisadas em um microscópio eletrônico.

O dispositivo permite aos médicos determinar, em apenas 30 minutos, as bactérias presentes e sua reação ao tratamento com antibióticos, evitando a espera de dias pelos resultados do laboratório.

"Atualmente, prescrevemos antibióticos mesmo sem saber se há bactérias presentes", destacou Wong à AFP. "Esta é uma das coisas que queremos resolver. Se podemos determinar rapidamente a existência de uma infecção bacteriana".

Os pesquisadores dizem que além de determinar a presença da bactéria, o dispositivo poderá revelar seu tipo, se suas células são esféricas, alargadas ou espirais.

"Este dispositivo determina a existência, mas não o tipo de bactéria que é", disso Wong. "Mas estamos trabalhando em um enfoque molecular complementar que nos permita identificar as espécies".

Após encontrar a bactéria, o teste a expõe a antibióticos para determinar sua resistência.

"As infecções urinárias são as infecções bacterianas mais comuns, mas 75% dos testes de urina enviados a laboratórios dão negativos. Descartar ou confirmar rapidamente a presença de bactérias em uma concentração clinicamente relevante melhorará de maneira drástica o atendimento ao paciente".

A expectativa é poder comercializar o dispositivo no prazo de três anos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.