Navigation

Cientistas eliminam população de mosquito com edição genética

Um mosquito Aedes Aegypti afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 25. setembro 2018 - 00:11
(AFP)

Cientistas disseram nesta segunda-feira que conseguiram pela primeira vez eliminar uma população inteira de mosquitos portadores de malária no laboratório usando uma ferramenta de edição genética para programar sua extinção.

A chamada tecnologia de genética dirigida funciona garantindo que uma característica projetada seja passada para uma proporção maior de descendentes - através de muitas gerações - do que teria ocorrido naturalmente.

Em experimentos com a espécie Anopheles gambiae, cientistas do Imperial College London ajustaram um gene conhecido como doublesex (que ajuda a determinar o sexo de vários insetos) para que mais fêmeas em cada geração não pudessem mais picar ou se reproduzir.

Depois de apenas oito gerações, não houve mais fêmeas e a população entrou em colapso devido à falta de descendentes.

"Esse avanço mostra que a genética dirigida pode funcionar, proporcionando esperança na luta contra uma doença que atormenta a humanidade há séculos", disse a principal autora do estudo, Andrea Crisanti, professora do Departamento de Ciências da Vida do Imperial.

A malária adoeceu mais de 200 milhões de pessoas e matou quase 450.000 em todo o mundo em 2016. Continua sendo uma das mais mortais doenças infecciosas.

Tentativas anteriores dessa mesma equipe e de outras para induzir a extinção de mosquitos geneticamente programada no laboratório encontraram "resistência" na forma de mutações.

O próximo passo será testar a tecnologia em um ambiente de laboratório confinado que imita um ambiente tropical, disse Crisanti.

"Passarão pelo menos de cinco a dez anos antes de considerarmos testar mosquitos com genética dirigida na natureza", disse em um comunicado.

Alguns cientistas e grupos de monitoramento de tecnologia pediram uma moratória nas pesquisas de genética dirigida.

"Há riscos ecológicos de manipular e remover populações naturais, como destruir redes alimentares e mudar o comportamento de doenças, bem como os riscos sociais de perturbar a agricultura e permitir novas armas", disse Jim Thomson, do ETC Group, uma ONG que monitora novas tecnologias.

A nova pesquisa, publicada na revista Nature Biotechnology, foi financiada pela Fundação Bill & Melinda Gates, que investiu cerca de US$ 100 milhões no desenvolvimento da tecnologia de genética dirigida com o objetivo de erradicar a malária.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.