Navigation

Colômbia descarta intervenção militar na Venezuela

(Arquivo) O presidente da Colômbia, Ivan Duque afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. setembro 2019 - 18:27
(AFP)

O presidente da Colômbia, Iván Duque, descartou nesta quinta-feira uma intervenção militar na Venezuela diante da tensão dos últimos dias entre os dois países, que levou à realização de manobras pelas Forças Armadas venezuelanas na fronteira.

"A Colômbia não ataca ninguém, este é um país que sempre respeita a territorialidade de outras nações", declarou o presidente.

No dia anterior, o ministro das Relações Exteriores Carlos Holmes Trujillo alertou que a Colômbia estava pronta para defender sua soberania contra as "ameaças" do presidente venezuelano Nicolás Maduro, que declarou um "alerta laranja" na área de fronteira devido a supostas ameaças de Bogotá.

Segundo Maduro, Duque usaria o rearmamento recente de alguns ex-comandantes das FARC que deixaram o pacto de paz assinado em 2016 como uma desculpa para "iniciar um conflito militar" com Caracas.

O presidente socialista convocou exercícios militares na fronteira de 10 a 28 de setembro e a implantação de um sistema de mísseis terrestres e antiaéreos.

Duque acusa Maduro de proteger e dar refúgio a um grupo dissidente do que era a guerrilha mais poderosa da América, liderada por Iván Márquez, ex-número dois das FARC e que na semana passada anunciou uma nova rebelião armada.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.