Navigation

Colômbia desmantela rede que enviou droga em ônibus acidentado no Equador

Foto cedida pelo Corpo de Bombeiros de Quito mostra a cena do acidente de ônibus, em 14 de agosto de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 19. agosto 2018 - 18:50
(AFP)

A Promotoria da Colômbia desmantelou uma rede mafiosa assinalada de ter enviado o carregamento com mais de meia tonelada de maconha que foi detectada em um ônibus turístico acidentado na terça-feira no Equador, deixando 23 mortos.

Em um comunicado divulgado neste domingo (19), o organismo anunciou a captura neste final de semana de três homens e três mulheres que supostamente faziam parte da organização "Los Mercaderes de la Frontera".

As prisões ocorreram durante uma operação na cidade de Ibagué (centro), de onde organizavam o tráfico de drogas para Equador e Chile por ônibus que aparentemente prestavam serviços turísticos.

O grupo "está relacionado com o carregamento de mais de meia tonelada de maconha encontrada no ônibus", detalhou a Promotoria.

Os dois países trabalham na investigação da tragédia que aconteceu a 30 quilômetros de Quito e na qual faleceram ao menos 15 colombianos, além de um número a ser determinado de venezuelanos. Outro 22 ocupantes ficaram feridos.

O acidente revelou uma nova modalidade de contrabando de droga que consistia em "camuflar carregamentos (...) em ônibus que aparentemente eram de serviço turístico", acrescentou a Promotoria.

Os promotores determinaram que o ônibus foi carregado com a maconha em Cali, antes de ir ao Equador. Contudo, os controles policiais o obrigaram a mudar de rota e no novo trajeto teve um "problema técnico".

Familiares assinalaram à imprensa que algumas vítimas foram enganadas com a oferta de uma viagem gratuita para o Equador.

O Ministério de Transportes da Colômbia esclareceu que, embora o ônibus tivesse sua certificação "técnico-mecânica em dia", não tinha autorização para prestar serviço de turismo internacional.

O presidente do Equador, Lenín Moreno, por sua vez, denunciou "graves erros no controle de entrada e trânsito do ônibus", pelos quais ordenou a demissão de dois responsáveis de trânsito e "de toda a cadeia de comando que não exerceu o devido controle".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.