Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Deslocados palestinos em escola da ONU em Jabalia, depois de ataque aéreo israelense, em 30 de julho de 2014.

(afp_tickers)

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, acusou nesta quinta-feira Israel de desafiar deliberadamente o direito internacional em sua guerra contra o movimento islamita Hamas na Faixa de Gaza.

Pillay condenou os ataques israelenses contra casas, escolas, hospitais e centros da ONU em Gaza: "Nenhum deles parece acidental, mas um ato de desafio deliberado de suas obrigações derivadas do direito internacional", declarou em uma coletiva de imprensa em Genebra.

"Parecem ser um ato deliberado de desafio diante das obrigações que resultam do direito internacional" que Israel deve respeitar, acrescentou.

"É absolutamente inquestionável que os princípios de proporcionalidade e de precaução foram ignorados" por Israel, declarou Pillay.

"Nós não podemos tolerar esta impunidade", acrescentou.

Por sua vez, a ex-juíza sul-africana destacou que "as duas partes cometem graves violações dos direitos humanos que poderiam constituir crimes para o direito internacional humanitário e os direitos humanos".

No dia 23 de julho, o Conselho de Direitos Humanos da ONU decidiu criar, após um pedido da Palestina, uma comissão internacional de investigação sobre as violações que aparentemente foram cometidas no âmbito da ofensiva israelense em Gaza. Os membros desta comissão devem ser nomeados pelo presidente do Conselho, o gabonês Baudelaire Ndong Ella.

Durante os debates no Conselho, na semana passada, Pillay já havia denunciado os possíveis crimes de guerra cometidos por Israel em Gaza, assim como os ataques do Hamas contra as zonas habitadas por civis.

AFP