Navigation

Skiplink navigation

Confira a cronologia da crise após as eleições na Bolívia

Reprodução de imagem de vídeo da TV Bolívia mostra Evo Morales após discurso em que anunciou sua renúncia à Presidência da República em Cochabamba, 10 de novembro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. novembro 2019 - 01:27
(AFP)

O presidente da Bolívia, Evo Morales, renunciou depois de três semanas de protestos contra sua polêmica reeleição em 20 de outubro e após perder o apoio das Forças Armadas e da Polícia.

Confira a seguir os fatos mais significativos da crise no país andino:

- Eleição presidencial -

Em 20 de outubro foi celebrada na Bolívia a eleição presidencial. O esquerdista Evo Morales, primeiro chefe de Estado indígena no país e no poder há 13 anos, tenta o quarto mandato, apesar de a possibilidade ter sido rejeitada em um referendo em 2016 e posteriormente avalizada pela justiça.

De nove candidatos, só o centrista Carlos Mesa, que exerceu a Presidência entre 2003 e 2005, estava na corrida para enfrentá-lo em um eventual segundo turno.

- Rumo a um segundo turno -

Na noite da votação, Morales liderava a apuração com 45,28% dos votos à frente de Mesa, que tinha 38,16%. Os dois candidatos se encaminhavam, assim, para um segundo turno sem precedentes na Bolívia, após a apuração de 84% dos votos.

Para evitar um segundo turno, o candidato principal deve obter a maioria absoluta ou pelo menos 40% dos votos com uma diferença de dez pontos percentuais sobre o segundo colocado.

A oposição e os observadores internacionais criticaram o ritmo lento das autoridades para divulgar o resultado final, temendo uma possível fraude.

Começam manifestações nas ruas.

Na segunda-feira, 21 de outubro, o Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) atribui 46,4% dos votos a Morales contra 37,07% para Mesa, com 95,63% das urnas apuradas. A brecha se aproxima dos dez pontos necessários para a vitória no primeiro turno. Mesa denuncia "fraude".

- As ruas ardem -

Em várias regiões eclodiram incidentes violentos, que incluíram incêndios, confrontos com a Polícia e saques.

Manifestantes queimaram na segunda-feira três escritórios regionais do TSE em Potosí (sudoeste), Sucre (sudeste) e Cobija (norte).

Na terça, 22, organizações civis opositoras convocaram uma greve geral a partir da quarta-feira por tempo indeterminado.

Na quarta, 23, Morales denuncia que "está em andamento um golpe de Estado" por parte da direita boliviana, com apoio internacional.

A greve, replicada em todo o país, é salpicada de incidentes entre partidários dos dois lados.

- Vitória oficial -

Na sexta, dia 25, após os resultados definitivos, Morales é declarado oficialmente vencedor com 47,08% dos votos contra 36,51% para Mesa.

A oposição, a União Europeia, os Estados Unidos, a Organização de Estados Americanos (OEA), a Colômbia e a Argentina exigem um segundo turno.

Os bloqueios nas ruas e os confrontos continuam.

No domingo, dia 27, Morales descarta qualquer "negociação política".

- Auditoria da OEA -

Na segunda, 28, os protestos se intensificam com vários bloqueios e enfrentamentos com a polícia ou entre simpatizantes e opositores de Morales.

No dia 31, começa uma auditoria da OEA sobre a apuração, solicitada pelo governo, mas rejeitada pela oposição.

- Camacho lidera o desafio -

Em 2 de novembro, Luis Fernando Camacho surge como a face mais visível e radical da oposição, ao chamar o Exército e a Polícia a "se colocar ao lado do povo" e exortar o presidente a renunciar.

Morales convoca as Forças Armadas a "servir ao povo boliviano", mantendo-se junto de seu governo.

No dia 4, Mesa exige que se realize uma nova votação.

No dia 6, ocorrem violentos confrontos em Cochabamba e bloqueios em outras partes do país.

Em Vinto (centro), manifestantes ateiam fogo à Prefeitura e obrigam a prefeita a caminhar descalça pela cidade, coberta de tinta vermelha, sob insultos e ameaças.

- Motins -

Na sexta, 8 de novembro, três unidades da Polícia se amotinam em Cochabamba, Sucre e Santa Cruz. Veem-se cenas de comemoração entre policiais e manifestantes em La Paz e a rebelião se espalha para outras regiões do país.

Morales denuncia um golpe de Estado "em curso", mas o governo descarta uma operação militar contra os amotinados.

- Demissão -

No domingo, 10, Morales anuncia que vai convocar "novas eleições nacionais que, mediante o voto, permitam ao povo boliviano eleger democraticamente novas autoridades".

Pouco antes, ao divulgar o informe preliminar de sua auditoria, a OEA havia exigido a anulação das eleições presidenciais de outubro e a realização de novas eleições. A organização assegurou ter encontrado várias "irregularidades" em sua análise das eleições.

Dois ministros e o presidente do Congresso renunciam depois que seus partidários são atacados por oposicionistas.

As Forças Armadas e a Polícia, por outro lado, exigem a renúncia de Morales.

Finalmente, de sua região natal no centro da Bolívia, Morales renuncia depois de quase 14 anos no poder.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo