Navigation

Confira detalhes dos testes da COVID-19 nos EUA, chave para suspender o confinamento

Testes da COVID-19 em West Palm Beach,Florida, 16 de março de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 15. abril 2020 - 22:25
(AFP)

Antes de suspender as restrições para conter a pandemia do novo coronavírus, impostas desde março nos Estados Unidos, os especialistas repetem que é necessário detectar maciçamente a doença para controlar um possível ressurgimento e reagir com rapidez suficiente.

"Nosso sistema de testes é excelente", disse o presidente Donald Trump na terça-feira (14). Já o líder da oposição democrata no Senado, Chuck Schumer, não pensa o mesmo: "A capacidade de testar no país é perigosamente insuficiente".

Confira a seguir os detalhes dos testes de rastreamento de coronavírus no país, que nesta quarta (15) somava mais de 600.000 casos confirmados e 27.000 mortes por COVID-19.

- Os números -

Os Estados Unidos realizaram 3,1 milhões de testes até o momento, de acordo com o Covid Tracking Project.

O número começou a aumentar no final de março e atualmente está crescendo em cerca de um milhão por semana. Em números absolutos, o número é superior ao de qualquer outro país.

Os italianos fizeram cerca de um milhão de testes e a Coreia do Sul avaliou cerca de 500.000 casos, de acordo com o site Our World in Data, que coleta dados globalmente, com a ressalva de que as estatísticas geralmente são incompletas e imprecisas.

As diferenças se referem ao número de testes e ao número de casos, já que uma pessoa pode ser testada várias vezes ou com duas amostras de cada vez.

Nos Estados Unidos, isso varia de estado para estado. E a visão muda em relação à população como um todo: os Estados Unidos têm 329 milhões de habitantes.

Na Itália e na Coreia do Sul, mais pessoas foram avaliadas proporcionalmente: cerca de 18 e 10 testes por 1.000 habitantes, respectivamente. Nos Estados Unidos, foram realizadas 9 avaliações para cada 1.000 habitantes. Na Islândia, um pequeno país com uma população de 364.000 habitantes, foram realizados 100 testes para cada 1.000 habitantes, cobrindo 10% da população.

- Capacidade -

Até o final de fevereiro, os testes eram centralizados em Atlanta, na sede do Centro de Controle de Doenças (CDC), que havia desenvolvido seu próprio teste de diagnóstico. Mas não conseguiu produzir testes para laboratórios públicos nos estados.

Em 29 de fevereiro, o governo federal autorizou laboratórios privados a realizar seus próprios testes. Mas esses atores, cujos maiores representantes são os grupos LabCorps e Quest, estão em baixa capacidade há semanas, criando um atraso.

No início de abril, um funcionário de um hospital da Virgínia disse à AFP que esperava de cinco a sete dias para receber os resultados.

Esses atrasos foram superados, anunciou a Associação Americana de Laboratórios Clínicos na quarta-feira.

Ainda assim, observou, existe "capacidade considerável não utilizada".

Os testes rápidos também chegaram ao mercado, usando máquinas que já estão amplamente presentes em clínicas e consultórios médicos: o Abbott's - ID NOW - oferece um resultado em quinze minutos.

Um problema adicional é que, em muitos lugares, por exemplo, em Washington DC, as pessoas não podem fazer testes.

Para fazer isso, devem ter sintomas e consultar um médico, mesmo quando se sabe que existe um número significativo de pacientes assintomáticos.

- Custos -

Os testes devem ser gratuitos, graças a uma lei aprovada pelo Congresso em 18 de março.

- Testes com uma gota de sangue -

Os testes descritos indicam se uma pessoa está infectada ou não. Mas a chave para suspender as medidas de contenção será saber quem, no passado, foi infectado e é potencialmente imune a um novo contágio.

Para descobrir, existe outro tipo de teste mais simples, começando com uma gota de sangue: testes de sorologia, que procuram anticorpos. Estes são um tipo de memória do sistema imunológico, que aparece após uma infecção.

As autoridades querem desenvolver esses testes na esperança de ajudar a determinar quem pode retornar com segurança ao trabalho.

Mas eles ainda não estão amplamente disponíveis. E sua qualidade varia, um tanto agravada pelo fato de que a agência farmacêutica americana, a FDA, após os atrasos, autorizou a indústria a produzir e distribuir testes sem aprovação.

A gigante médica Abbott anunciou quarta-feira que enviará um milhão desses testes e chegará a um total de quatro milhões até o final de abril.

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, determinou nesta quarta-feira que todos os funcionários de hospitais e socorristas sejam submetidos a testes sistemáticos para COVID-19, e pediu ajuda federal para ampliar os exames e a avaliação sobre o restante da população.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.