Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldado líbio inspeciona marcas deixadas na parede por duplo atentado com bomba em 22 de julho de 2014 em base militar de Benghazi

(afp_tickers)

Ao menos 38 pessoas morreram e outras 50 ficaram feridas, em sua maioria soldados, nos combates das últimas 24 horas entre o exército e grupos islamitas na cidade de Benghazi, no leste da Líbia, indicaram neste domingo fontes médicas e militares.

Segundo uma fonte militar, vários grupos islamitas lançaram no sábado uma ofensiva contra o quartel-general da unidade das forças especiais do exército perto do centro da cidade e depois ocorreram combates com os militares.

O Conselho da Shura de Revolucionários de Benghazi, uma aliança de milícias islamitas e jihadistas, reivindicou nas últimas semanas vários ataques contra bases militares da cidade e afirmou ter tomado o controle de uma delas.

O comandante das Forças Especiais, Wanis Abu Khamada, afirmou, no entanto, à rede de televisão Libya al-Ahrar que seus homens seguiam em condições de "frear qualquer tipo de ofensiva contra as instituições do Estado".

Segundo o centro médico de Benghazi, 28 pessoas, em sua maioria soldados, morreram em combates desde sábado e também havia civis entre as vítimas.

O hospital de Al-Markh, 100 km a leste de Benghazi, indicou ter recebido os corpos de dois soldados, assim como dez feridos. No total 50 pessoas ficaram feridas.

Por sua vez, o Conselho Islâmico falou de oito mortos entre suas fileiras.

Segundo um jornalista da AFP no local, várias famílias fugiram da cidade, onde na manhã deste domingo muitas explosões foram ouvidas. Também prosseguiam os combates ao redor do quartel-general do exército, que os islamitas ainda não conseguiram tomar.

Desde a queda, em 2011, do regime de Muanmar Kadhafi, as milícias islamitas controlam Benghazi, a principal cidade do leste do país, onde quase diariamente há confrontos entre o exército e grupos radicais como Ansar Asharia, considerado terrorista pelos Estados Unidos.

O general Khamada, acusado por seus opositores de querer dar um golpe de Estado, tem o apoio de várias unidades do exército regular líbio, incluindo a Força Aérea.

Paralelamente, desde 13 de julho ocorrem confrontos entre milícias rivais pelo controle do aeroporto de Trípoli, no âmbito de uma luta de influência política e regional.

Segundo informações divulgadas neste domingo pelo ministério da Saúde, ao menos 97 pessoas morreram e outras 400 ficaram feridas nestas duas semanas de confrontos.

O número de vítimas é baseado nos relatórios enviados desde 13 de julho por oito hospitais públicos de Trípoli e de seus arredores, mas não inclui as vítimas atendidas em hospitais de campanha ou de outras cidades, disse o ministério.

No sábado, os Estados Unidos evacuaram todos os seus funcionários na Líbia devido aos intensos combates registrados na capital, informaram funcionários de alto escalão.

Embora a embaixada já operasse com uma equipe reduzida, os funcionários que permaneciam na representação diplomática saíram em direção à Tunísia, horas após o governo interino líbio alertar que o Estado podia "naufragar" devido aos confrontos pelo controle do aeroporto de Trípoli.

Os confrontos aumentam os temores de uma guerra civil em um país onde as autoridades de transição após a queda de Kadhafi não conseguiram erguer um exército e uma polícia profissionais.

AFP