Navigation

Conselheiro de Putin chama presidente ucraniano de nazista

Glaziev também estimou que a eleição de Poroshenko era ilegítima porque a participação das regiões do leste foi muito fraca. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. junho 2014 - 12:06
(AFP)

Serguei Glaziev, conselheiro do presidente russo Vladimir Putin, classificou nesta sexta-feira o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, de nazista e sua eleição de ilegítima, pouco antes da assinatura de um acordo de associação entre Ucrânia e a UE.

"A Europa tenta pressionar a Ucrânia para que assine este acordo à força. (...) Organizaram um golpe de Estado militar na Ucrânia, ajudaram os nazistas a chegar ao poder. Hoje, este governo nazista bombardeia a maior região do país", declarou Glaziev em uma entrevista à BBC.

Ao ser perguntado se considerava que Poroshenko era um nazista, Glaziev respondeu que "é claro, apoiou os nazistas".

O porta-voz de Putin, Dmitri Peskov, indicou pouco depois à agência Interfax que Glaziev havia expressado sua opinião pessoal e que não se tratava da postura oficial do Kremlin.

A Ucrânia assinou nesta sexta-feira um acordo de associação com a União Europeia (UE), a origem da crise que levou à destituição do ex-presidente pró-russo Viktor Yanukovytch e à insurreição separatista no leste.

Glaziev também estimou que a eleição de Poroshenko era ilegítima porque a participação das regiões do leste foi muito fraca.

"Não há reconhecimento oficial (da eleição por parte da Rússia). Estamos conversando com ele como pessoa que dirige uma parte da Ucrânia neste momento, de fato, e não de forma legal", acrescentou.

A Rússia reagiu à eleição de Poroshenko em maio com prudência e pragmatismo. Indicou estar "disposta a dialogar" com ele, ao mesmo tempo em que se absteve de se expressar sobre a legitimidade do novo líder da ex-república soviética.

Glaziev não é um porta-voz oficial, mas um conselheiro influente de Putin. É conhecido por suas declarações polêmicas das quais o Kremlin se distanciou em várias ocasiões.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.