Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trabalhadores finalizam o altar onde o Papa Francisco celebrará missa, em Havana, no dia 26 de agosto de 2015

(afp_tickers)

O branco e o amarelo, cores que identificam o Vaticano, adornavam nesta quarta-feira as estruturas montadas na Praça da Revolução, em Havana, para a missa que será celebrada pelo papa Francisco em 20 de setembro.

Depois de mais de 40 dias de trabalho, cinquenta operários pintavam e davam os últimos retoques nas quatro estruturas e uma sacristia erguidas especialmente para a ocasião, observaram jornalistas da AFP.

Em breve, darão lugar a decoradores e outros especialistas para os detalhes finais antes da missa do Papa, que visitará a ilha como parte de um giro que também o levará aos Estados Unidos.

Francisco celebrará uma missa na manhã de 20 de setembro na mesma praça em que seus antecessores João Paulo II, em 1998, e Bento XVI, em 2012, rezaram.

O papa argentino terá à sua esquerda uma enorme imagem de 36 metros de seu compatriota, o revolucionário Ernesto Che Guevara, morto na Bolívia em 1967.

Outros dois estrados montados na praça serão destinado à imprensa, com capacidade para cerca de 200 jornalistas, e uma quarto será usado pelo coro que cantará na missa.

Cerca de 4.000 convidados especiais, inclusive o presidente Raul Castro, estarão sentados durante a missa, que a Igreja Católica espera ser assistida por centenas de milhares de cubanos.

Francisco, que, silenciosamente, contribuiu para a aproximação histórica entre os Estados Unidos e Cuba, chegará a Havana na tarde de sábado, 19 setembro.

Após a missa do domingo, dia 20, o pontífice visitará Raul Castro no Palácio da Revolução. Na segunda-feira, dia 21, viajará de avião para Holguín, 760 km a leste de Havana, antes de partir no mesmo dia para a vizinha Santiago de Cuba.

De Santiago de Cuba, Francisco seguirá para os Estados Unidos.

AFP