Navigation

Coronavírus 'não dá sinais de desaceleração nas Américas', alerta OPAS

Paciente é transferido por paramédicos em Almeirim, Pará afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. julho 2020 - 17:09
(AFP)

A diretora da Organização Pan-americana da Saúde (OPAS), Carissa Etienne, alertou nesta terça-feira (21) que a pandemia de coronavírus "não dá sinais de uma desaceleração" nas Américas, onde a maioria das mortes se concentram no Brasil, México e Estados Unidos.

Durante coletiva de imprensa em Washington, Etienne afirmou que até 20 de julho havia 311.000 mortes nas Américas e que na semana passada a região chegou aos 900.000 novos casos com 22.000 mortes, em sua maioria no Brasil, México e Estados Unidos.

A diretora da OPAS destacou, entretanto, a situação do Canadá, que conseguiu achatar a curva de contágios, enquanto no restante da América do Norte os casos continuam aumentando.

Etienne também afirmou que, na semana passada, a maioria dos países da Mesoamérica registraram o maior aumento semanal de casos desde o início da pandemia.

A chefe da OPAS também alertou que os contágios continuam se multiplicando na região do Amazonas, com um aumento dos casos em Bolívia, Equador, Colômbia e Peru.

- Um terço com fatores de risco -

Etienne advertiu que na região três em cada dez pessoas - que equivalem a 325 milhões de pessoas - têm risco ponderado de desenvolver uma forma grave de infecção pelo coronavírus, devido a condições subjacentes.

Na América do Norte, a proporção é ainda maior é atinge um em cada três, segundo a funcionária.

A organização realizou estes cálculos com ajuda da Faculdade de Higiene e Medicina Tropical da Universidade de Londres, desenvolvendo assim um modelo de dados para estimar a prevalência de fatores de risco.

Com relação à Nicarágua, Ciro Urgarte, diretor de Emergências Sanitárias da OPAS, informou não ter recebido informação desagregada das autoridades de Manágua.

"A falta de informação adequada não permite que a OPAS possa fazer uma avaliação adequada da situação na Nicarágua", informou o especialista.

Por outro lado, Etienne destacou que em pleno inverno no Hemisfério Sul, Chile, Argentina e Uruguai alcançaram progressos significativos no monitoramento da influenza, a gripe comum.

"Há uma circulação muito baixa da gripe registrada nesses países, o que indica que a higiene de mãos e o distanciamento social também podem contribuir para a redução de outros vírus respiratórios", comentou.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.