Navigation

Cosmonauta mostra fissura em nave espacial para acalmar o público

A nve russa Soyuz MS-09 transportando um cosmonauta russo, um americano e um alemão em sua decolagem de Baikonur para a Estação Espacial Internacional (ISS), em 6 de junho de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 10. setembro 2018 - 18:17
(AFP)

Um cosmonauta russo mostrou nesta segunda-feira uma microfissura na espaçonave Soyuz acoplada à Estação Espacial Internacional (ISS), que causou uma perda de pressão e o que fez a Rússia sugerir que poderia ter sido causado intencionalmente.

O cosmonauta Sergei Prokopyev postou um vídeo em redes sociais mostrando a pequena fissura lacrada na parede da nave Soyuz MS-09 acoplada ao segmento russo da ISS.

"Como podem ver, está tudo calmo a bordo. Nós vivemos em paz e amizade como sempre", disse o astronauta de 43 anos, que está em sua primeira missão espacial.

A fissura foi localizada no dia 30 de agosto, depois que uma perda de pressão foi detectada na estação espacial em órbita e atualmente com seis tripulantes da Rússia, dos Estados Unidos e da Alemanha.

O diretor da agência espacial russa Roskosmos, Dmitri Rogozin, sugeriu na semana passada que a microfissura poderia ter sido deliberadamente feita.

A agência espacial russa convocou uma comissão para investigar o incidente e apresentará suas descobertas em meados de setembro.

As fotos da microfissura não foram publicadas oficialmente, embora a Nasa tenha postado uma imagem em um vídeo antes de excluí-la.

A fissura, localizada em uma parte da espaçonave Soyuz, que não será usada para retornar à Terra, foi inicialmente selada com fita resistente ao calor, segundo a Nasa. Prokopyev mostrou a fissura em um vídeo que ele disse ter feito para "dissipar rumores".

"Por favor, não se preocupe, estamos bem", disse o cosmonauta sorrindo, e assegurando ao público que o módulo está "hermeticamente fechado".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.