Navigation

Cruzeiro no Japão tem dez infectados por novo coronavírus (TV)

O Japão colocou em quarentena o navio Diamond Princess, com mais de 3.000 pessoas, devido ao temor de casos de coronavírus afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. fevereiro 2020 - 00:21
(AFP)

Ao menos dez passageiros de um cruzeiro que as autoridades japonesas puseram em quarentena estão infectados pelo novo coronavírus, anunciou nesta quarta-feira (4) a emissora NHK, citando o ministério da Saúde japonês.

As autoridades decidiram colocar em quarentena o barco "Diamond Princess", que chegou na noite de segunda-feira à Baía de Yokohama, perto de Tóquio, com 3.711 pessoas a bordo. A medida foi adotada para buscar eventuais casos de contágio depois que foi detectada pneumonia viral em um antigo passageiro do navio que desembarcou em Hong Kong.

O ministro japonês da Saúde, Katsunobu Kato, disse a jornalistas que foram coletadas amostras de mais de 200 pessoas a bordo do Diamond Princess.

Até o momento, estão disponíveis os resultados de 31 exames, com a confirmação de dez pessoas infectadas pelo vírus, acrescentou.

"Por volta das 7h30 (19h30 de Brasília), nós os mandamos (os dez que tiveram resultado positivo) desembarcar do navio e com a cooperação da guarda costeira, nós os estamos enviando para organizações médicas", afirmou.

O restante dos passageiros e a tripulação a bordo do navio terão que permanecer a bordo por 14 dias, acrescentou Kato, mencionando o consenso médico de que o novo vírus tem um período de incubação de até duas semanas.

Mais de 20 países confirmaram casos do vírus, que matou cerca de 500 pessoas e infectou mais de 24.000 na China continental.

O surto levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar emergência sanitária global, vários governos a instituir restrições a viagens e empresas aéreas a suspender voos tendo a China como origem ou destino.

Cerca de 20 casos foram confirmados no Japão, sem contar as infecções no navio, entre eles cidadãos que retornaram de Wuhan, a cidade do centro da China que é o epicentro da epidemia.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.