Navigation

Curaçao adverte que não enviará ajuda à Venezuela sem permissão de Caracas

(21 fev) Ajuda humanitária para a Venzuela chega a Curaçao afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 22. fevereiro 2019 - 13:33
(AFP)

A ilha caribenha de Curaçao afirmou nesta sexta-feira que não permitirá que a ajuda humanitária destinada à Venezuela saia do porto sem a permissão das autoridades de Caracas.

"Os envios de Curaçao só acontecerão quando as autoridades da Venezuela estiverem de acordo. Até lá, a ajuda permanecerá armazenada", anunciou o governo da ilha em um comunicado.

"Nenhum envio de ajuda sairá de maneira forçada", ressaltou.

Esta decisão deixa no limbo o destino desta ajuda, uma vez que a Venezuela ordenou a suspensão das ligações marítimas e aéreas com Curaçao em meio à disputa pelo poder entre o presidente Nicolás Maduro e o líder da oposição e reconhecido como presidente interino por vários países, Juan Guaidó.

Um avião com comida e remédios enviado por venezuelanos que moram nos Estados Unidos pousou na quinta-feira em Curaçao, a pouco mais de 60 quilômetros da costa venezuelana.

O carregamento da ilha faz parte de um plano liderado pela oposição venezuelana para desafiar o poder de Maduro e os militares que o apoiam, que consideram a entrada da ajuda humanitária um primeiro passo de uma intervenção militar dos Estados Unidos.

Os responsáveis pelo envio disseram que o avião continha 50 toneladas de alimentos e remédios para os venezuelanos que sofrem de escassez de produtos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.