Navigation

Descoberto segundo planeta ao redor da estrela Beta Pictoris

Ilustração mostra o planeta gigante Beta Pictoris B, descoberto em 2009, e um segundo planeta, Beta Pictoris C, em torno da estrela Beta Pictoris (não visível) afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 19. agosto 2019 - 19:41
(AFP)

Um novo planeta gigante foi revelado ao redor da jovem estrela Beta Pictoris, que brilha a 63,4 anos-luz da Terra - relata um estudo publicado na revista "Nature Astronomy", nesta segunda-feira (19).

"Trata-se de um planeta gigante de mais ou menos 3.000 vezes a massa da Terra, 2,7 vezes mais longe de sua estrela do que a Terra (é) do Sol", explica à AFP Anne-Marie Lagrange, pesquisadora do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS) no Instituto de Planetologia e de Astrofísica de Grenoble, principal autora do estudo.

Visível a olho nu e há tempos conhecida por sua rotação rápida, a estrela Beta Pictoris se tornou conhecida nos anos 1980, quando proporcionou aos astrônomos a primeira imagem de um disco de poeira e de gás ao redor de uma estrela. Estes elementos são o vestígio da nuvem primitiva que levou a seu nascimento.

Além disso, o sistema planetário do qual ela faz parte, com cerca de 20 milhões de anos (bem pouco, se comparado aos 4,6 bilhões de anos do Sistema Solar), pode parecer com o que deve ter sido nosso mundo logo após sua formação.

"Para entender melhor o estágio inicial de formação e evolução, este é provavelmente o melhor sistema planetário que conhecemos", explicou Lagrange, que estuda esse objeto há 35 anos.

Depois do planeta gigante Beta Pictoris B, descoberto pela equipe de Anne-Marie Lagrange em 2009, um segundo foi observado ao redor da estrela. "Este irmão caçula, quase gêmeo, tem logicamente o nome de Beta Pictoris C", afirmou.

Segundo os cientistas, os dois planetas ainda estão em formação.

O Beta Pictoris C foi detectado de maneira indireta, graças ao espectrógrafo HARPS, um caçador de planetas do Observatório Europeu do Sul (ESO), instalado no Chile.

Os pesquisadores usaram o método baseado na velocidade radial, que consiste em detectar no espectro de uma estrela as perturbações causadas pela presença de um corpo celeste em sua órbita.

Eles também determinaram que o Beta Pictoris C, situado entre sua estrela e seu irmão mais velho, orbita relativamente perto da Beta Pictoris. Sua translação dura quase 1.200 dias.

Ainda de acordo com o estudo, "mais dados são necessários para obter estimativas mais precisas".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.