Navigation

Dinheiro da venda de mansão de traficante no México irá para atletas do Pan

O mexicano Yahel Castillo exibe o ouro conquistado nos saltos ornamentais afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 12. agosto 2019 - 22:11
(AFP)

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, anunciou nesta segunda-feira que os 5,25 milhões de dólares obtidos com a venda de uma mansão que pertencia a um empresário acusado de narcotráfico serão destinados aos 541 atletas do país que participaram dos Jogos Pan-Americanos de Lima-2019.

O imóvel leiloado no domingo pertencia ao empresário de origem chinesa Zhenli Ye Gon, que ficou conhecido em 2007 após a polícia encontrar na sua residência 205 milhões de dólares em notas, escondidos em um cômodo.

Ye Gon, extraditado para os Estados Unidos, foi acusado pelas autoridades mexicanas de ser líder de uma quadrilha dedicada à fabricação de pseudoefedrina, um elemento utilizado produção da metanfetamina.

O leilão de bens de narcotraficantes faz parte da política do governo mexicano de "devolver ao povo o que lhe foi roubado", afirmou Obrador.

A mansão foi comprada por um empresário mexicano e será destinada à uma fundação que apoia jovens atletas do país.

O México terminou em terceiro lugar no quadro de medalhas dos Jogos Pan-Americanos de Lima, atrás de Estados Unidos e Brasil, com 37 medalhas de ouro, 36 de prata e 63 de bronze.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.