Navigation

Dissidente cubano Ferrer deixa prisão e cumprirá prisão domiciliar

(Arquivo) Dissidente político cubano José Daniel Ferrer García, de 45 anos, em 1 de junho de 2016, em Washington. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 03. abril 2020 - 21:57
(AFP)

O líder da oposição cubana, José Daniel Ferrer, deixou a prisão na sexta-feira, onde passou seis meses, e cumprirá uma pena de quatro anos e meio por agressão.

"Minha pena permaneceu em quatro anos e seis meses de prisão domiciliar, mas eles não me deram a sentença porque me recusei a assinar o documento que havia recebido", disse Ferrer à AFP por telefone de Santiago de Cuba, a 900 km de distância de Havana, onde reside.

"Não estamos liberdade, estamos condenados e não aceito essa sentença. Ou me prendem ou terão ue me libertar, porque vou continuar na rua", afirmou.

Ferrer, de 49 anos, e três outros membros da União Patriótica Cubana (Unpacu), considerada ilegal na ilha, foram presos em 1º de outubro do ano passado, sob acusações de agressão e sequestro ao também dissidente Sergio García, que os acusou.

A promotoria pediu nove anos de prisão para Ferrer. Finalmente, todos receberam prisão domiciliar, entre três a cinco anos.

A diplomacia americana pediu sua libertação. Para o governo Trump, José Daniel Ferrer é um defensor dos direitos humanos.

Segundo as autoridades cubanas, Ferrer havia sido preso por crimes comuns.

Cuba considera que os dissidentes são financiados pelos Estados Unidos e buscam a queda do governo socialista.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.