Navigation

Duque convoca reunião com líderes dos protestos na Colômbia

O presidente da Colômbia, Iván Duque, em 24 de novembro de 2019, em Bogotá. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 26. novembro 2019 - 01:37
(AFP)

O presidente da Colômbia, Iván Duque, convocou para terça-feira uma reunião com o líderes dos protestos contra seu governo, que nesta segunda (25) completam cinco dias nas ruas do país.

"Amanhã, o presidente se reunirá com representantes da greve nacional", disse a ministra do Trabalho, Alicia Arango, à imprensa na Casa de Nariño, sede do governo.

A reunião com o Comitê Nacional da Greve, que reúne sindicatos, estudantes e partidos da oposição, será realizada no âmbito do "diálogo social" convocado pelo chefe de Estado em resposta às manifestações contra suas políticas sociais, econômicas e de segurança.

Arango disse que, após esse encontro, haverá "uma reunião prolongada em que outros setores da sociedade serão convidados a compartilhar suas preocupações", e na qual o governo espera que participem os líderes da greve nacional de 21 de novembro.

Pressionado pelas mobilizações e com uma popularidade em baixa, Duque convocou na sexta-feira passada um "diálogo nacional" com "todos os setores políticos e sociais" para discutir "reformas" em sua política social.

"A impaciência cidadã é grande, as queixas são grandes (...), mas também é muito importante entender que os governos não podem fazer promessas ou têm varinhas mágicas para produzir soluções milagrosas e imediatas", disse Duque mais cedo.

Diógenes Orjuela, presidente da Central Única dos Trabalhadores, um dos sindicatos mais poderosos da Colômbia, não participou da reunião por considerar insuficiente o tempo previsto pelo governo para a duração do encontro, de "uma hora".

"Nós vamos apenas para uma reunião convocada expressamente para que o grupo das organizações da greve possa expor ao senhor presidente da República todos os seus pontos de vista".

A CUT e o sindicato dos professores públicos lideraram uma "grande passeata" nesta segunda-feira, por ocasião do Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher.

Milhares foram às ruas em várias cidades. Em Bogotá e em Medellin, as mulheres caminharam por avenidas emblemáticas vestidas com roupas roxas contra o feminicídio e reivindicando seus direitos.

Apesar de essencialmente pacíficos, os protestos já deixaram quatro mortos, cerca de 500 feridos - entre civis, policiais e militares - e 172 detidos.

O último óbito ocorreu nesta segunda-feira, de um jovem ferido por policiais no sábado em meio aos protestos.

O anúncio da morte provocou 'panelaços' e protestos em diferentes pontos de Bogotá, e convocações para mais manifestações, nesta terça-feira.

Duque lamentou "profundamente a morte do jovem Dilan Cruz" no hospital.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.