Navigation

Emergência por coronavírus reforça controle de Maduro e neutraliza Guaidó

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro (centro), durante uma mensage transmitida pela televisão, em 30 de março de 2020, em Caracas afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. abril 2020 - 12:32
(AFP)

A emergência do novo coronavírus na Venezuela está reforçando o controle interno de Nicolás Maduro e neutralizando Juan Guaidó, cada vez mais dependente de seus aliados internacionais, justo quando o opositor tentava reativar sua ofensiva contra o governo.

"Disciplina!", exige Maduro em frequentes aparições na televisão, em geral cercado por militares.

Segundo analistas, o presidente se mostra como homem forte à frente da COVID-19, enquanto Guaidó fica confinado às redes sociais, em meio à censura e às falhas de conexão.

"Maduro está tentando mandar a mensagem de 'eu governo, eu mando'", disse à AFP o presidente do instituto de pesquisas Datanálisis, Luis Vicente León.

Paradoxalmente, acrescenta ele, a pandemia que pôs em xeque a resposta de vários governos ao redor do mundo está sendo uma "oportunidade de ouro" para Maduro.

O presidente ordenou uma quarentena que militares e policiais espalhados pelos bairros populares fazem cumprir e suspendeu atividades de trabalho e acadêmicas.

O próprio Maduro, ou seus colaboradores próximos, anunciam o balanço diário de contágios pelo vírus na Venezuela, repetido nos informes da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Líder do Parlamento opositor autoproclamado presidente encarregado da Venezuela em 2019, Guaidó acusa Maduro de "mentir", questionando que haja apenas 256 casos confirmados e nove mortes. Sua margem de manobra é, porém, muito estreita.

Sem uma "estrutura organizada (...) está mais limitado", comentou o cientista político Ricardo Sucre.

Guaidó tem convocado a formação de um "governo de emergência" apoiado pelos Estados Unidos. Durante a pandemia de coronavírus, Washington já acusou Maduro de "narcoterrorismo" e ofereceu 15 milhões de dólares de recompensa por ele.

- Conter a pressão -

Inspirado na China, Maduro se ampara em um estado de alerta que lhe concede poderes especiais. Foi neles que se apoiou para declarar um toque de recolher noturno nas cidades situadas na fronteira com a Colômbia.

A emergência "reduziu a pressão sobre ele ao deter as mobilizações" que a oposição estava tentando relançar, afirmou diretor do Centro de Estudos Políticos da Universidade Católica Andrés Bello, Benigno Alarcón.

"Parou qualquer tentativa de reviver os protestos", acrescentou Alarcón, embora tenham ocorrido algumas pequenas manifestações por serviços como luz e água.

Apenas alguns dias antes da chegada do vírus ao país, Guaidó havia liderado uma manifestação em Caracas.

Sem controle territorial, o parlamentar se move na esfera internacional. Na quinta-feira passada, prometeu executar "o mais rápido possível" um plano de ajuda coordenado com a Organização dos Estados Americanos (OEA) para entregar 100 dólares mensais, por três meses, aos profissionais da saúde.

Ainda que o governo Maduro "tenha administrado a contingência a seu favor", a escassez de gasolina - agravada durante a quarentena - e a precariedade do sistema de saúde podem provocar reviravoltas, alerta Alarcón.

Fora da Venezuela, a legitimidade de Maduro segue em xeque. Ele é acusado de ter sido reeleito em uma disputa fraudada, em 2018, uma situação que bloqueia possíveis canais de financiamento para o país.

Como alívio para o presidente, os apoios de China e Rússia "se tornaram mais visíveis", diz Sucre.

Ambos os países enviaram de máscaras a ventiladores para a Venezuela. É a "ajuda verdadeira", agradece Maduro.

Os problemas econômicos são um "perigo", porém, ressalta León, misturando-se com o "agravamento" das sanções americanas impostas contra a Venezuela e sua indústria do petróleo.

Washington propôs suspender as restrições financeiras, se Maduro e Guaidó aceitarem um governo de transição sem a participação de ambos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.