Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem divulgada pela página jihadista Welayat Raqa em 30 de junho de 2014 mostra integrantes do EI dirigindo tanque na cidade de Raqa, na Síria.

(afp_tickers)

Os jihadistas do Estado Islâmico (EI) já controlam a quase totalidade da província petroleira de Deir Ezor, no leste da Síria e na fronteira com o Iraque, e assumiram o controle de Al Omar, um dos maiores campos de petróleo da Síria, informou uma ONG.

Mayadin, uma das principais cidades da província, caiu em mãos do EI depois da retirada da Frente Al Nosra (facção síria da Al-Qaeda), e o EI hasteou sua bandeira na cidade, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Nas últimas horas, os combates também cessaram na localidade de Shuheil, na cidade de Ashara e nos povoados vizinhos, segundo a ONG.

Em Shuheil, os rebeldes islamitas, inclusive, se uniram ao EI, assim como os rebeldes e combatentes da Al Nosra em Ashara.

Na terça-feira, o EI tomou Bukamal, a principal cidade de Deir Ezzor, fronteira com o Iraque.

O EI também tomou a cidade iraquiana de Qaem e por isso controla os dois lados da fronteira.

O EI se apoderou de territórios na Síria e no Iraque e anunciou em 30 de junho a criação de um califado, antiga forma de governo islamita.

Na Síria, este grupo extremista está em guerra com os rebeldes e os adversários jihadistas da Al-Nosra.

No entanto, desde a tomada de Bukamal, rebeldes e jihadistas se uniram ao Estado Islâmico e ao proclamado califa, o líder do grupo, Abu Bakr al Baghdadi.

Mas, oficialmente, Al-Nosra e o conjunto da rebelião continuam em guerra com o EI, um grupo acusado das piores atrocidades, como execuções sumárias e crucificações.

AFP