Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Jovens participam da festa de San Fermin, em Palma de Maiorca, Espanha, em 5 de julho de 2014

(afp_tickers)

Os indivíduos que pertencem a um mesmo círculo social se parecem entre si tanto quanto primos de quarto grau - revela um estudo divulgado nesta segunda-feira, que aponta que as pessoas escolhem amizades geneticamente parecidas.

A pesquisa se fundamenta em uma base de dados do Framingham Heart Study, de Massachusetts (nordeste dos Estados Unidos), que compreende cerca de 1,5 milhão de marcadores genéticos de pessoas inter-relacionadas.

Os autores desse estudo, publicado nos anais da Academia Nacional das Ciências, concentraram-se em um grupo de 1.932 indivíduos.

Entre eles, compararam casais de amigos sem vínculos de parentesco a casais de pessoas que não se conheciam.

Os indivíduos que pertenciam a um mesmo círculo social compartilhavam quase 1% de genes similares, ou seja, muito mais do que o compartilhado por pessoas sem vínculos de amizade.

Esse percentual de similaridade genética "é o mesmo que têm os primos de quarto grau", destacou o estudo.

Embora "1% dos genes" pareça pouco, "para os geneticistas, é uma cifra muito importante", assegurou o coautor do estudo, Nicholas Christakis, professor de Sociologia, Biologia, Evolução e Medicina da Universidade de Yale.

"De alguma forma, damos um jeito para, entre um sem-fim de possibilidades, escolher como amigas pessoas que se parecem com a nossa família", disse.

A maioria das pessoas pesquisadas era branca e de origem europeia.

AFP