Navigation

EUA determina quarentena para americanos retirados de Wuhan

Avião pousa na base de Riverside, na Califórnia, 29 de janeiro de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 31. janeiro 2020 - 20:38
(AFP)

As autoridades americanas decretaram quarentena de duas semanas aos 195 americanos que foram repatriados da localidade chinesa de Wuhan pelo surto do novo coronavírus que deixou mais de 200 mortos.

A decisão foi conhecida depois de uma das pessoas tentarem deixar a base militar da Califórnia, onde os americanos evacuados aterrissaram nesta quarta em um voo fretado e é a primeira diretriz do tipo em mais de 50 anos, disseram autoridades.

Os Estados Unidos recomendou seus cidadãos a não viajarem à China depois que a Organização Mundial da Saúde declarou na quinta-feira uma emergência mundial pelo novo coronavírus.

O número de mortos na China aumentou nesta sexta para 213 e as infecções totais a quase 10.000 pessoas, superando a epidemia de Sars de duas décadas atrás. Mais de 20 países confirmaram casos.

"Esta ordem é parte de uma resposta agressiva de saúde pública, cujo objetivo é prevenir na melhor medida possível a propagação comunitária deste novo vírus nos Estados Unidos", disse Nancy Messonnier, diretora da unidade de doenças respiratórias dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), entidade federal que atende a ameaças contra a saúde pública no país.

"Preferimos ser lembrados por reagir de forma exagerada e não por fazê-lo de forma insuficiente", destacou.

O avião com os repatriados, incluindo diplomatas e suas famílias, pousou há dois dias em uma base militar em Riverside, Califórnia, e as autoridades informaram inicialmente que se pediria aos passageiros que se isolassem voluntariamente por até 72 horas.

Por enquanto, nenhum indivíduo apresentou sintomas do novo coronavírus 2019.

Amostras de sangue do grupo foram enviadas à sede central dos CDC em Atlanta, que continuam sob análise, mas Messonnier advertiu que incluiu um resultado negativo não significa que uma pessoa esteja fora de perigo, visto que nova informação aponta transmissões do vírus por pessoas assintomáticas.

A ordem federal de quarentena foi divulgada depois que um dos evacuados tentou deixar a base e o estado da Califórnia o colocou em quarentena, disse outro funcionário dos CDC, Marty Citron, mas negou que isto tenha motivado a decisão.

O isolamento é exigido para pessoas que tenham sido expostas a uma doença, mas sem apresentar os sintomas, segundo os CDC. "A última vez que se emitiu uma ordem de quarentena foi na década de 1960 pela varíola", disse Citron.

Até agora os Estados Unidos confirmaram seis casos de coronavírus e mais de 120 estão em análise.

Messonnier exortou as pessoas a não se deixarem levar pelo pânico, mas tomar as precauções normais para vírus respiratórios: lavar bem as mãos por 20 segundos, desinfectar superfícies, ficar em casa em caso de doença e cobrir com um lenço a boca e nariz ao tossir ou espirrar e jogá-lo no lixo.

Também pediu que não se pressuponha que uma pessoa de ascendência asiática está infectada, destacando que há quatro milhões de americanos de origem chinesa nos Estados Unidos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.