Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O secretário de Estado americano, John Kerry

(afp_tickers)

O secretário de Estado americano, John Kerry, telefonou neste domingo para o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para reafirmar o apoio de Washington à busca de um cessar-fogo, enquanto Israel prometeu intensificar sua ofensiva.

Kerry "destacou as preocupações americanas em relação à escalada da tensão no terreno", disse à AFP uma fonte do Departamento de Estado.

O secretário também garantiu ao premiê Netanyahu que está comprometido com outras lideranças regionais a "ajudar a parar os lançamentos de foguetes para que a calma possa ser restabelecida e impedir feridos civis".

John Kerry condenou os ataques de foguete procedentes da Faixa de Gaza na direção do sul de Israel e "ressaltou o direito de Israel de se defender".

Ele também "indicou que os Estados Unidos estão prontos para facilitar uma trégua das hostilidades, incluindo um retorno ao acordo de cessar-fogo de novembro de 2012".

Segundo fontes palestinas, pelo menos 166 palestinos, civis em sua maioria, foram mortos desde o início da ofensiva, e quase 1.120 ficaram feridos.

Apesar dos apelos da comunidade internacional, o premiê Benjamin Netanyahu prometeu, no Conselho de Ministros realizado neste domingo, atingir "o Hamas com mais e mais intensidade", acusando o movimento islâmico de usar "a população como escudo humano".

Neste domingo, os líderes da diplomacia americana, francesa, alemã e britânica evocaram, em Viena, os esforços para se conseguir um cessar-fogo, em paralelo à sua reunião sobre o delicado tema nuclear iraniano.

Ao chegar à capital austríaca, o ministro francês das Relações Exteriores, Laurent Fabius, declarou que, "em Gaza como em Israel, a prioridade absoluta é o cessar-fogo".

AFP