Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Sede do Departamento do Estado, em Washington, em 19 de novembro de 2010.

(afp_tickers)

Os Estados Unidos negaram vistos de viagem a vários funcionários do governo venezuelano, acusados de violações dos direitos humanos durante os recentes protestos da oposição, o que prenuncia novas tensões diplomáticas entre os dois países.

"O secretário de Estado decidiu impor restrições de viagem aos Estados Unidos a um determinado número de funcionários venezuelanos que são responsáveis ou cúmplices de violações dos direitos humanos", declarou em um comunicado a porta-voz do Departamento de Estado, Marie Harf.

"Nossa mensagem é clara: aqueles que cometem esses abusos não serão bem-vindos nos Estados Unidos", ressaltou.

Washington não divulgou os nomes dos afetados pela decisão, mas outro porta-voz indicou que a medida atinge juízes, policiais e militares, bem como ministros e assessores do presidente Nicolás Maduro, eleito em 2013 após a morte de Hugo Chávez (1999-2013).

Caracas respondeu a esse anúncio por meio de seu chanceler, Elías Jaua. O ministro das Relações Exteriores da Venezuela afirmou que a medida é uma represália pelo papel do país na América Latina.

"São ações desesperadas", afirmou, considerando que a iniciativa é a resposta americana ao fato de a Venezuela ter sido visitada na semana passada pelo presidente chinês, Xi Jinping, e por ter sediado a cúpula do Mercosul.

As sanções estão concentradas em um grupo de funcionários que Washington acusa de abusos durante os protestos contra o governo que agitaram várias cidades venezuelanas entre fevereiro e maio, deixando 43 mortos e centenas de feridos.

Dos mil detidos durante as manifestações, cerca de 80 continuam presos.

O Departamento de Estado informou em seu comunicado que o governo venezuelano reagiu aos protestos com "prisões arbitrárias e uso excessivo da força" e, em várias ocasiões, tentou intimidar judicialmente a dissidência, limitando a liberdade de imprensa e silenciando seus adversários.

As sanções foram impostas após meses de tensões entre Washington e Caracas por acusações mútuas, e dias depois da detenção do general e diplomata venezuelano Hugo Carvajal em Aruba à pedido dos Estados Unidos, que o acusam de ter ligações com o tráfico de drogas. Mas Carvajal foi rapidamente libertado por ordem da Holanda.

A prisão do diplomata provocou o protesto de Caracas, enquanto o Departamento de Estado americano considerou sua libertação uma "zombaria" às normas diplomáticas.

Washington "sentiu que devia mostrar uma posição clara" em relação ao caso de Carvajal e à situação geral na Venezuela, disse à AFP Carl Meacham, pesquisador do centro de análises CSIS.

A Câmara de Representantes do Congresso americano aprovou no final de maio um projeto de lei que obrigaria o governo do presidente Barack Obama a negar vistos e congelar ativos de funcionários venezuelanos envolvidos em violações dos direitos humanos, ao passo que o Senado está considerando um projeto similar.

Apesar da pressão do Legislativo, a administração Obama havia adotado uma posição de distanciamento, observando que não eram necessárias nem apropriadas novas sanções, e optando por estimular um diálogo político na Venezuela.

"Seria ingênuo pensar que a decisão tomada pelos Estados Unidos não terá um efeito negativo sobre a relação diplomática entre os dois países", considera Michael Shifter, diretor do centro de estudos Diálogo Interamericano.

Apesar das relações bilaterais tensas, os Estados Unidos são o maior comprador de petróleo da Venezuela, que também importa muitos produtos daquele país.

AFP