Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(afp_tickers)

A Europa aprovou o lançamento de um observatório do espaço profundo para buscar planetas habitáveis ​​em outros sistemas estelares, junto com quaisquer formas de vida que eles possam hospedar.

"A missão PLATO abordará questões fundamentais, como 'quão comuns são os planetas parecidos com a Terra?' e 'nosso sistema solar é incomum, ou até mesmo único?'", disse na quarta-feira a Universidade de Warwick, cujos cientistas participarão do projeto.

O empreendimento de vários milhões de euros "poderia eventualmente levar à detecção de vida extraterrestre", acrescentou.

Um comitê da Agência Espacial Europeia (ESA), reunido em Madri, autorizou a missão na terça-feira, o que significa que ela "pode ​​passar de um plano à construção", afirmou a universidade em um comunicado.

Quando o projeto candidato foi anunciado pela primeira vez, há três anos, seu custo foi estimado em cerca de 600 milhões de euros.

Com 26 telescópios a bordo, a PLATO irá se juntar ao observatório Kepler da Nasa na busca por exoplanetas, que giram em torno de estrelas diferentes do nosso Sol.

O Kepler encontrou até agora mais de 3.400 exoplanetas confirmados. Destes, 30 têm menos do dobro do tamanho da Terra e orbitam dentro da chamada "zona habitável" da sua estrela, a uma distância que permite a existência de água em estado líquido.

A PLATO (Planetary Transits and Oscillations of stars) deve ser lançada em 2026, disse a ESA.

AFP