Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Tanque pertencente a rebeldes da Frente Islâmica é flagrado em uma rua do norte de Aleppo, durante confronto com forças governamentais, em 17 de abril de 2014

(afp_tickers)

As forças do regime sírio se preparam para lançar uma grande ofensiva contra as áreas sob controle rebelde em Aleppo, no norte do país, informou neste domingo a opositora Coalizão Nacional Síria (CNS).

"As tropas sírias se dispõem a invadir Alepo", disse no site da organização o porta-voz da CNS, Luay Safi, para quem "a situação militar é muito difícil". "O assédio de Aleppo se tornou realidade", acrescentou.

Desde julho de 2012, alguns bairros da antiga capital econômica da Síria estão controlados pelos rebeldes, enquanto outros estão em mãos das forças do presidente Bashar al Assad. A aviação síria realiza bombardeios regulares contra as posições rebeldes.

Após a tomada, por parte do exército, da cidade industrial situada a nordeste de Aleppo, as tropas do regime se preparavam, neste domingo, a retomar uma posição militar no nordeste da cidade, o que lhes permitiria cortar a rota de abastecimento dos rebeldes da vizinha Turquia, noticiou o jornal pró-governo Al Watan.

Diante deste avanço, Safi acusou o exército sírio e os jihadistas do Estado Islâmico (EI), ex-aliados em luta contra Assad, de "se aliar" com o objetivo de "controlar as áreas liberadas".

O porta-voz da CNS acusou, ainda, a comunidade internacional, em especial os Estados Unidos, de "falta de seriedade em seu apoio" aos rebeldes do Exército Sírio Livre (ESL), que combate o regime sírio e os jihadistas do EI, ao impedir a chegada de "armas sofisticadas".

AFP