Navigation

Ex-militares venezuelanos em Lima pedem deposição de Maduro

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fala diante da Assembléia Constituinte, em 14 de janeiro de 2019 em Caracas afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 17. janeiro 2019 - 21:24
(AFP)

Um grupo de 20 ex-militares e policiais venezuelanos pediu, nesta quinta-feira, para seus colegas de armas que se rebelem contra o presidente Nicolás Maduro, após anunciar, em vídeo gravado em Lima, que consideram o chefe do Congresso, Juan Guaidó, o legítimo mandatário.

"A intenção de nossa mensagem é criar consciência entre nossos colegas de armas, que têm dúvidas sobre se revoltar contra (o presidente Nicolás) Maduro, de que não estão sozinhos", disse à AFP o primeiro-tenente José Hidalgo Azuaje, porta-voz do grupo.

"Queremos que entendam que somos uma organização militar para que se unam a nós para a libertação, um levantamento, e que passamos dos milhares", garantiu por telefone Hidalgo, militar que foi degradado e expulso do exército venezuelano em março de 2018, acusado de conspiração.

Hidalgo aparece em um vídeo cercado por 20 homens uniformizados, lendo um pronunciamento contra Maduro e expressando seu apoio ao líder do Congresso, de maioria opositora.

"Fazemos um chamado a todos os componentes da Força Armada nacional bolivariana (...) que não continuem nos quartéis sendo submetidos e utilizados por esses criminosos", afirmou.

"Hoje declaramos que não reconhecemos Nicolás Maduro como presidente da Venezuela e como comandante em chefe das forças armadas", declara o documento no qual reconhece o "deputado Juan Guaidó em seu caráter de presidente da Assembleia Nacional como presidente interino da República Bolivariana da Venezuela".

"Ordene, comandante em chefe, ficamos sob suas ordens", conclui, dirigindo-se a Guaidó, a mensagem difundida pela UCI, pequena emissora digital do bairro de San Isidro, na capital peruana.

O senador americano Marco Rubio respaldou este grupo pelo Twitter. "Apoiamos o grupo de militares que se rebela contra Maduro e se subordina a Guaidó".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.