Navigation

Ex-prefeito de Lima é preso por pagamentos da Odebrecht e OAS

(Arquivo) O ex-prefeito de Lima Luis Castañeda afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. fevereiro 2020 - 19:15
(AFP)

Uma juíza peruana enviou nesta sexta-feira para a prisão preventiva o ex-prefeito de Lima Luis Castañeda, acusado de ter recebido contribuições ilegais de campanha das construtoras brasileiras OAS e Odebrecht.

"Declara-se fundamentado o pedido de prisão preventiva para o acusado Oscar Luis Castañeda Lossio, que deverá ser por 24 meses", disse a juíza María Álvarez após uma audiência de mais de duas horas.

Este é o segundo ex-prefeito de Lima com prisão preventiva decretada por conta desse escândalo de corrupção envolvendo as construtoras brasileiras.

A Procuradoria havia pedido 36 anos de prisão para Castañeda, de 74 anos, que foi por duas vezes prefeito de Lima (2003-2010 e 2014-2018) e duas vezes candidato à presidência do Peru (2000 e 2011).

Embora a juíza tenha reduzido o prazo, ela descartou deixá-lo em prisão domiciliar, como a defesa havia pedido, alegando supostos problemas de saúde.

Castañeda é acusado de ter recebido ilegalmente 480 mil dólares da OAS para sua campanha à prefeitura em 2014 e outros 150.000 dólares da Odebrecht.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.